La nave va
Imagem Celso Ming
Colunista
Celso Ming
Conteúdo Exclusivo para Assinante

La nave va

O nível de incerteza continua muito alto, mas a economia começa a dar sinais de melhora

Celso Ming, O Estado de S.Paulo

12 de janeiro de 2017 | 21h00

É cedo para concluir que o ambiente da economia está melhorando. Mas já há um punhado de forças que começam a empurrar nessa direção.

A inflação mergulhou e está convergindo para os arredores da meta de 4,5%, ainda neste ano. Depois do que se viu na quarta-feira, não há mais dúvida de que os juros básicos (Selic) também cairão, provavelmente para a altura dos 10% ou 9,25% ao ano. Se isso se confirmar, os juros básicos reais (descontada a inflação), que hoje estão em torno de 7,0% ao ano, deverão cair para alguma coisa em torno de 5,0% ao ano, ainda assim, nível muito elevado.

As contas externas não preocupam e não há corrida ao dólar. Ao contrário, a tendência do câmbio interno continua sendo de enfraquecimento das cotações do dólar. As reservas externas são de US$ 370 bilhões, o equivalente a 32 meses de importação. O investidor estrangeiro continua confiante na política econômica. No ano passado, os Investimentos Diretos no País devem ter ultrapassado a marca dos US$ 70 bilhões e as projeções do Banco Central para este ano são de entrada líquida de US$ 75 bilhões. De dezembro para cá, o CDS do Brasil (Credit Default Swap), espécie de seguro que cobre o risco de calote de um título de cinco anos, caiu 8,15%, de 274 pontos-base para 252,28 pontos (veja o gráfico), o que mostra recuperação da confiança.

Não há notícia de que a atividade da indústria esteja reagindo. Ao contrário, as indicações ainda são negativas e o Banco Central reconhece que há enorme capacidade ociosa (máquinas e instalações subaproveitadas). O País tem 12,1 milhões de desempregados e outros 2 milhões nem emprego procuram porque estão tomados pelo desalento. O que há são apostas bem assentadas de que o PIB crescerá este ano pelo menos 0,5%, magnitude sujeita a ceticismos da hora.

Mas o agronegócio está bombando. Deve apresentar um aumento de produção de grãos de mais de 15%, de acordo com os estudos do IBGE e da Conab, com a vantagem adicional de que os preços de exportação têm melhorado. Ou seja, a produção agrícola deve injetar recursos novos que devem irrigar a economia a partir do interior.

A administração do governo federal segue aos trancos e a dos Estados enfrenta as calamidades já conhecidas. O presidente Temer ainda se mete em trapalhadas e vacilações inacreditáveis, mas coisas importantes estão andando, porque conta com forte respaldo político no Congresso. A PEC do Teto dos Gastos passou com folga, tanto na Câmara como no Senado, e começam a ser encaminhados projetos de reforma (parciais) das leis trabalhistas e da Previdência Social. As estatais ganharam nova lei de governança e a Petrobrás foi liberada da obrigação de participar de todo  projeto do pré-sal como operadora única e com pelo menos 30% do capital.

O nível de incerteza continua muito alto. Sabe-se lá o que Donald Trump pode aprontar quando tiver o botão da bomba – e não só da atômica – à sua disposição. Ganham força pelo mundo movimentos políticos xenófobos e protecionistas. Por aqui, as reformas enfrentarão a ação contrária dos interesses contrariados, principalmente das corporações. A Operação Lava Jato tem ainda muito a revelar e centenas de condenações a sentenciar.

Apesar de tudo, como ensinou Federico Fellini, la nave va.


CONFIRA:

Trava no crédito

Se o entendimento geral é o de que os juros continuarão a cair nos próximos meses, e em doses fortes, o interessado tende a adiar a tomada de novos créditos até o fim do ciclo de baixa, para não se sujeitar a juros altos demais. A baixa na ponta do crédito deverá continuar. Essa tendência é fator que pode atuar como trava adicional do crédito. E essa pode ser mais uma razão pela qual o Banco Central antecipou e intensificou o que chamou de “ciclo de distensão monetária”.

A crise e o dólar

Nem os juros altos provocaram forte entrada de capitais especulativos nem os juros mais baixos estão provocando efeito contrário. O dólar continua caindo em relação ao real, porque a percepção é de que a crise está sendo controlada. Nesta quinta-feira, no day after da derrubada dos juros, as cotações do dólar continuaram recuando. Quer um dólar mais caro em reais? Deixe que a crise se agrave e o dólar irá às estrelas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.