Laboratório pressiona médico para vender remédio, diz estudo

Um estudo divulgado nesta segunda-feira pelo grupo Consumers International (CI) critica as companhias farmacêuticas da Europa e questiona a ética da indústria na promoção de seus produtos. O relatório, financiado pela Comissão Européia, pesquisou vinte empresas na República Tcheca, Dinamarca, Finlândia, Grécia, Hungria, Portugal e Eslovênia. Juntas, elas investiram em marketing um total de US$ 60 bilhões em 2005 - o dobro do valor gasto com o desenvolvimento de novos medicamentos."Sérias, recentes e repetidas transgressões aos códigos de marketing foram encontradas em grande número", diz o relatório.O grupo de lobby sediado em Londres revelou estratégias das empresas para contornar restrições à publicidade direta de medicamentos. Uma delas seria a pressão sobre médicos e grupos de pacientes, estudantes de Medicina e farmacêuticos.Na era da Internet, novas ferramentas, como websites de informação e fóruns de discussão online, também são utilizadas. Segundo o relatório, financiado pela Comissão Européia, as empresas provêm informações sobre doenças ao mesmo tempo em que induzem os consumidores a utilizar determinados medicamentos."Em geral, há poucas orientações sobre as considerações éticas que precisam ser respeitadas no uso de tais fóruns de marketing", diz o relatório.O Consumers International pede mais rigor na regulamentação de marketing do setor. "O atual marco regulatório é claramente insuficiente para evitar violações sistemáticas das regulamentações de marketing, e garantir o maior nível possível de proteção ao consumidor."As empresas ainda não se pronunciaram sobre o relatório, mas, no passado, defenderam o diálogo direto com pacientes.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.