Lacta troca São Paulo por Curitiba

A Kraft Foods do Brasil, dona da marca Lacta, vai transferir até o fim do ano a produção de toda a linha de chocolates e suco em pó para a unidade de Curitiba, uma antiga indústria de cigarros remodelada para o setor alimentício. Os investimentos na unidade somam US$ 100 milhões. A produção de chocolates da Kraft - líder do setor - está dividida entre a unidade de São Paulo, que detém 90% da produção, e a paranaense.A expectativa é de que até o fim do projeto, programado para 2003, a companhia crie 3,3 mil empregos diretos na região. Em Curitiba, são fabricados os chocolates das marcas Lancy e Amandita e os sucos em pó. A linha de produção do Bis começou a operar neste mês e em abril será a vez do bombom Sonho de Valsa ir para o Paraná. A fabricação das barras de Diamante Negro, Laka e Milka está programada para o início do segundo semestre."A mudança da produção será finalizada em dezembro, quando a unidade paulista encerra as atividades", afirmou o diretor de Assuntos Corporativos, Antonio Newton Galvão Cesar Junior. Atualmente, a fábrica de São Paulo emprega cerca de mil funcionários.Líder de mercado também no setor de suco em pó - com 56% de participação -, a Kraft comercializa as marcas Tang, Clight, Fresh, Ki-Suco e Q-refres-ko. Segundo dados da ACNielsen esse mercado movimentou no ano passado mais de R$ 400 milhões. A Kraft do Brasil é subsidiária da norte-americana Kraft Foods International, segunda maior fabricante de alimentos do mundo. A holding possui aproximadamente 80 fábricas e comercializa produtos em mais de 140 países.De acordo com Galvão Cesar Junior, a fábrica instalada em Curitiba será a segunda maior unidade do grupo em todo o mundo. "O Brasil representa o segundo maior mercado de chocolate do grupo e é responsável pelo maior faturamento da empresa na América Latina", disse. Em 2000, a empresa faturou no mercado brasileiro R$ 1,3 bilhão. A receita do ano passado será divulgada em abril.A falta de mão-de-obra especializada obrigou a Kraft a criar a Universidade de Alimentos da Kraft Foods (UAL) para formação de profissionais. "O projeto foi criado em 1999, quando a empresa deu início à mudança das operações para Curitiba e necessitou de mão-de-obra qualificada para operar equipamentos de última geração na área de alimentos", disse o diretor.Segundo ele, no primeiro ano de atividades, a UAL treinou 720 profissionais e a meta até 2003 é formar mais 4 mil trabalhadores, que irão participar de um programa gratuito de capacitação, com duração de três meses. "Após concluírem este curso, os alunos estarão aptos para inserirem-se no mercado de trabalho. Em 2000 e 2001, 73% dos formandos foram contratados pela própria Kraft Foods e outras empresas", diz.Ele explica que a Universidade de Alimentos Kraft Foods foi criada para atender à demanda não apenas da empresa, mas do mercado da indústria alimentícia do Paraná, na época com cerca de 800 indústrias ligadas a este ramo. Desde fevereiro de 2000, a UAL atua em parcerias firmadas com o Senai, PUC-PR, Governo do Paraná e a Prefeitura de Curitiba.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.