Lafarge recebe ativos de cimento da Votorantim no Brasil

Francesa se torna uma das 3 maiores operadoras de cimento no País, com 7 mi de toneladas produzidas por ano

Reuters,

24 de fevereiro de 2010 | 08h32

A maior produtora de cimento do mundo, a francesa Lafarge, divulgou nesta quarta-feira que reforçou sua presença no Brasil após a troca de sua participação na cimenteira portuguesa Cimpor por alguns ativos da Votorantim.

 

"Com esses ativos, a Lafarge torna-se uma das três maiores operadoras de cimento do Brasil, com 7 milhões de toneladas em um mercado com média de crescimento anual de 5%", informa a Lafarge em comunicado à imprensa.

 

A companhia já tinha quatro fábricas no Brasil e com os ativos da Votorantim poderá estabelecer novas posições nos mercados regionais do Nordeste e Centro-Oeste, reforçando presença no Rio de Janeiro, cidade-sede dos Jogos Olímpicos de 2016.

 

A empresa francesa não divulgou quais ativos recebeu da Votorantim no comunicado.

 

A expectativa da Lafarge é que a operação terá um impacto positivo no lucro líquido por ação em 2010 e deverá aumentar o lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda, na sigla em inglês) no Brasil em 85 milhões euros em 2011 e em mais de 100 milhões de euros em 2012.

 

A participação trocada pela Lafarge na Cimpor por parte dos ativos de cimento da Votorantim, maior empresa do setor do Brasil, foi de 17,28%. A troca se deu após a Companhia Siderúrgica Nacional ter anunciado uma oferta de compra da Cimpor em dezembro, operação que fracassou na véspera após o acerto da Votorantim e de compras de participações na cimenteira portuguesa pela Camargo Corrêa.

"As autoridades regulatórias brasileiras foram notificadas sobre a última fase da transação entre Lafarge e Votorantim", afirma a cimenteira francesa.

 

Após o acerto de Votorantim com Lafarge envolvendo a participação na Cimpor, terceira maior produtora de cimento do Brasil, a CSN entrou com recurso no Conselho Administrativo de Defesa Econômica, alegando que a operação "gera impactos significativos em diversos mercados relevantes para a economia nacional". (Alberto Alerigi Jr.)

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.