Ações

Empresas de Eike disparam na bolsa após fim de recuperação judicial da OSX

Lagarde defende ação coordenada sobre dívida da Grécia

Ministra de Finanças da França, cotada para assumir o FMI, diz que quaisquer mudanças precisariam ser discutidas conjuntamente por BCE, Comissão Europeia e o Fundo

Priscila Arone, da Agência Estado,

23 de maio de 2011 | 15h23

A ministra de Finanças da França, Christine Lagarde, disse nesta segunda-feira, 23, que quaisquer mudanças no pacote de resgate para a Grécia serão decididas de forma coordenada entre o Banco Central Europeu (BCE), a Comissão Europeia e o Fundo Monetário Internacional (FMI). "O que quer que fizermos, faremos juntos", disse Lagarde em entrevista à CNBC. "Qualquer refinamento, melhora ou mudança estudada será considerara pelas três autoridades."

O BCE rejeitou a reestruturação da dívida grega, enquanto outros países europeus e o chefe de assuntos econômicos e monetários da Comissão Europeia, Olli Rehn, debateu a possibilidade de uma extensão voluntária dos vencimentos dos empréstimos.

Questionada sobre se gostaria de assumir o posto de diretor-gerente do FMI, após ter recebido o apoio de vários países europeus, Lagarde disse que é muito cedo para dizer. "Eu diria que é uma questão interessante, mas claramente prematura. Os outros é que vão decidir", disse ela.

Lagarde declarou que a França aderiu ao compromisso para um processo de seleção aberto, transparente e baseado no mérito para a escolha do novo dirigente do FMI.

Segundo ela, a crise econômica transformou as instituições, dentre elas o FMI. "A crise financeira ... transformou a economia, transformou o setor financeiro, fez muitas instituições internacionais acordarem e serem mais alertas e ágeis em sua forma de operar", afirmou Lagarde.

Ela lembrou que o "papel fundamental" do FMI é atuar em países que sofreram com a crise, o que é um exemplo das grandes mudanças que têm ocorrido. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
GréciadívidaLagardeBCEFMI

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.