Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

Lagarde defende programa de compra de bônus do BCE

A diretora-gerente do Fundo Monetário Internacional (FMI), Christine Lagarde, defendeu as política de crise do Banco Central Europeu (BCE) em uma entrevista a um jornal alemão publicada nesta quarta-feira.

AE, Agencia Estado

12 de junho de 2013 | 07h53

Sem o comprometimento do presidente do BCE, Mario Draghi, de comprar quantidades ilimitadas de bônus do governo, caso necessário, "haveria hoje um estagnação geral na zona do euro, um desemprego maior e tensões sociais ainda maiores", disse Lagarde ao diário alemão Sueddeutsche Zeitung.

O anúncio do BCE sobre o programa Transações Monetárias Completas (OMT) de compra de bônus foi um momento decisivo, afirmou Lagarde. "Circunstâncias excepcionais pedem medidas excepcionais."

"O programa OMT evitou uma catástrofe e ajudou a tornar a política monetária mais eficaz novamente", declarou a diretora-gerente.

Desde terça-feira, o Tribunal Constitucional da Alemanha está conduzindo uma audiência de dois dias sobre o programa OMT e o mecanismo permanente de resgate da zona do euro, Mecanismo de Estabilidade Europeu (ESM, na sigla em inglês).

Na atual crise econômica e financeira mundial, é principalmente "a coragem da política monetária que está abrindo caminho para a recuperação", afirmou Lagarde. Enquanto a ação atual dos bancos centrais traz alguns riscos, por exemplo em relação à inflação, estes são controláveis, argumentou.

Uma vez superada a crise, a política monetária tem de mudar novamente, disse a diretora-gerente do FMI. "Mas esse dia ainda não chegou", ressaltou. "Ao contrário: a saída prematura poderia destruir a confiança de novo e os países com elevada dívida teriam novamente de lutar contra o risco de ter de deixar a união monetária", alertou. Fonte: Market News International.

Tudo o que sabemos sobre:
europafmibce

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.