AFP
AFP

Diretora do FMI ‘salva’ Levy de saia-justa em evento no Peru

Ministro da Fazenda foi pressionado por jornalista da CNN a falar de possível impeachment de Dilma e a explicar as pedaladas fiscais

Rolf Kuntz, enviado especial, O Estado de S. Paulo

08 de outubro de 2015 | 22h30

LIMA - Pressionado pelo jornalista Richard Quest, da rede americana CNN, e mal conseguindo encadear uma resposta, o ministro da Fazenda, Joaquim Levy, foi salvo no momento mais difícil de uma entrevista pela intervenção da diretora-gerente do Fundo Monetário Internacional (FMI), Christine Lagarde. 

Plateia e galerias do Teatro Nacional de Lima estavam lotadas e o público ria alto, enquanto o entrevistador perguntava ao ministro se ele acreditava na possibilidade de impeachment da presidente e cobrava explicações sobre as pedaladas fiscais do ano passado. 

O ministro reconheceu a pressão política, lembrou a campanha contra o presidente americano Bill Clinton, depois do escândalo com a estagiária Monica Levinsky, e mudou de assunto. Também na Europa, disse Levy, houve debate sobre o uso de bancos públicos para financiar o Tesouro. No Brasil, acrescentou, o governo já tratou do problema. Desviou em seguida para a política de ajuste e de melhora do ambiente. Foi de novo interrompido e o público ria, quando Lagarde interveio. 

Tomando a palavra, a diretora do FMI falou por Levy, explicando a importância da criação de um ambiente mais favorável aos negócios. Enquanto Lagarde falava, Quest deu uma trégua e o ministro saiu das cordas. Graças à intervenção, livrou-se de falar mais longamente sobre a hipótese de impeachment e sobre as pedaladas do ano anterior, quando a Fazenda era comandada por Guido Mantega e a contabilidade criativa era assunto internacional.

Saias-justas. A entrevista organizada pela CNN reuniu o ministro brasileiro, a diretora-gerente do FMI e o presidente do Banco da Inglaterra, Mark Carney. Todos pressionados por perguntas diretas e incômodas. Carney recusou dizer quando a política monetária inglesa será apertada e os juros começarão a subir. Mas se ofereceu para explicar as condições necessárias para a decisão. Ao responder a outra questão, deu uma pista. A inflação só continua nula porque o petróleo se desvalorizou e a energia está barata, mas pressões de salários e de outros custos já se manifestam. 

Lagarde foi pressionada a responder se deseja um novo mandato (o atual terminará em julho de 2016). Repetiu resposta apresentada horas antes numa entrevista coletiva: a decisão cabe aos governos dos países-membros do FMI. Ou seja, aceitará, se essa for vontade dos sócios. Também falou sobre as relações do Fundo com a América Latina, muito complicadas há algumas décadas. A América Latina e o FMI mudaram, respondeu Lagarde. “As políticas da região evoluíram e as economias são mais sólidas e mais resistentes a choques. Quanto ao Fundo, segue novos padrões de trabalho, mais adaptados às necessidades dos países-membros.” 

Novo assunto. Deixado em paz, o ministro brasileiro limitou-se a acompanhar a entrevista de Lagarde e de Carney por longo tempo e só voltou a intervir quando a conversa foi desviada para a política ambiental. Mencionou as ações de preservação da Amazônia, falou sobre os critérios pró-ambiente adotados por instituições financeiras e lembrou o interesse da Federação Brasileira dos Bancos (Febraban) pelo assunto.

Também voltou a falar sobre economia brasileira. Mostrou-se despreocupado em relação ao risco de fuga de capital num cenário de mudança nos mercados financeiros e cambiais. Citou o volume de reservas - cerca de US$ 370 bilhões - como fator de segurança, ao lado do regime de câmbio flexível.

Mas nem tudo foi tão fácil até o fim. Depois de falar sobre como a economia brasileira se modernizou e se fortaleceu nas últimas décadas, teve de enfrentar a pergunta: então, por que entrou em recessão? As risadas voltaram. 

Outros países também estão em dificuldades, lembrou Levy, mas esse tipo de associação já havia sido examinado em várias entrevistas de dirigentes do FMI - e da própria Lagarde. Embora outros latino-americanos dependam mais que o Brasil do setor de produtos básicos, as projeções indicam recessão, neste ano, só para três economias. A brasileira deve encolher 3%, a venezuelana, 10%, e a equatoriana, 0,6%. 

Lagarde mencionou, de manhã, as diferenças de desempenho dessas e das outras economias da região e chamou a atenção para os padrões de governança. A rigor, o caso equatoriano é um tanto diferente. O país foi fortemente afetado pela queda dos preços do petróleo, mas cresceu 5,2% em 2012, 4,6% em 2013 e 3,8% em 2014, com taxas de inflação de 4,2%, 2,7% e 3,7%. Em outras entrevistas Brasil e Venezuela foram apresentados mais frequentemente como os culpados pela piora da média latino-americana. 

Mais conteúdo sobre:
FMIlevy

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.