Lagarta ameaça desempenho da safra em 12 Estados

Praga levou o Mato Grosso, maior produtor brasileiro de grãos, a decretar estado de emergência fitossanitária

José Maria Tomazela, O Estado de S.Paulo

21 de novembro de 2013 | 02h10

SOROCABA - Uma lagarta de coloração esverdeada, medindo pouco mais de três centímetros, já é considerada a maior ameaça ao desempenho da agricultura brasileira na safra 2013/14. A Helicoverpa armígera, nome científico da praga, teve sua presença constatada em lavouras da Bahia em março deste ano, mas já se espalha por 12 Estados brasileiros.

Na última segunda-feira, o ministro da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Antônio Andrade, declarou estado de emergência fitossanitária nas lavouras do Mato Grosso, principal produtor brasileiro de grãos, por causa da infestação pela lagarta.

O Estado é o segundo, depois da Bahia, a entrar em situação de emergência em razão dos ataques da praga. A medida possibilita que o órgão estadual de defesa agropecuária elabore um plano de supressão baseado nos conceitos e práticas do Manejo Integrado de Pragas, desenvolvido pela Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa). A especificação das áreas atingidas pela praga em Mato Grosso ainda será divulgada.

No mês passado, a presidente Dilma Rousseff autorizou o Ministério da Agricultura a adotar procedimentos de controle da praga quando declarado oficialmente o estado de emergência fitossanitária.

Nessas áreas, pode ser feito o uso controlado de inseticidas e outros produtos químicos de combate à praga, entre eles alguns ainda não autorizados para uso contínuo nas lavouras.

O respeito ao vazio sanitário, com a interrupção do plantio de cultivos hospedeiros para quebrar o ciclo da praga, e a adoção de áreas de refúgio e rotação de culturas estão entre as medidas recomendadas. O prazo da emergência fitossanitária para os dois Estados é de um ano.

Outras regiões. Os Estados de Goiás e Minas Gerais também reivindicam a decretação da emergência em razão da alta infestação em algumas regiões. A praga espalhou-se também pelo Mato Grosso do Sul, Tocantins e Maranhão, tendo sido encontrada até mesmo nos arredores do Distrito Federal.

Em São Paulo, foram relatadas infestações no sudoeste paulista e no Vale do Paranapanema. Produtores do Paraná encontraram insetos na palha do trigo, no período de plantio de verão.

Houve registros de ataques também no Rio Grande do Sul. A lagarta infesta principalmente soja, milho e algodão, mas já foi encontrada devorando cultivos de alface.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.