LAM anuncia estratégias para investir

A Lloyds Asset Management (LAM), empresa internacional que oferece serviços de administração de recursos, anunciou ontem sua política de investimentos a médio prazo. As estratégias para o mercado de ações, renda fixa e fundos cambiais são cautelosas e foram planejadas a partir de análises das tendências econômicas mundiais e brasileiras.AçõesA melhora da economia interna levaria, teoricamente, a uma elevada alocação de recursos em renda variável, mas, dadas as incertezas sobre a redução na taxa de crescimento da economia dos EUA, uma parte do ganho nos preços das ações brasileiras poderá ser comprometida. Estima-se que investidores estrangeiros sejam responsáveis por cerca de 20% do volume da Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa). Por isso, há uma forte correlação entre o desempenho dos dois mercados de risco, o mercado de renda variável brasileiro e a Nasdaq - bolsa que negocia ações de empresas de alta tecnologia e informática em Nova York. Um resultado pior nos EUA compromete o desempenho da Bovespa.Verificadas as tendências, a LAM anunciou que vai manter uma posição no mercado acionário de 75% da alocação permitida pelas regras dos fundos que administra, podendo oscilar entre 50 e 100% dependendo da influência das variáveis internas e externas. Ou seja, da parcela dos fundos de investimento destinada à renda variável, a empresa utilizará 75%.O diretor de estratégia de investimentos da LAM, Paulo de Sá Pereira, recomenda a compra das ações de empresas pertencentes aos setores cujas vendas são diretamente beneficiadas pela redução das taxas de juros internas, como os da construção civil, comércio de bens de consumo duráveis e complexo automotivo, além dos setores de energia elétrica, principalmente as empresas de geração e distribuidoras com redes de transmissão de dados beneficiadas pela Internet.Renda Fixa & Câmbio"A política de defesa das atividades domésticas foi incentivada com a redução dos juros, a desvalorização cambial e a inflação controlada", diz Pereira. Apesar da queda dos juros, o economista alerta sobre as instabilidades externas e recomenda os investimentos de curto prazo, menos sensíveis à volatilidade. Já os investimentos em fundos cambiais são mais indicados para quem tem dívidas em dólar. Veja no link abaixo a análise detalhada feita pela equipe da LAM dos cenários econômicos interno e externo

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.