Daniel Teixeira/Estadão
Daniel Teixeira/Estadão

Lance mínimo pela Lotex será de R$ 1 bilhão, diz Fazenda

O governo espera realizar o leilão da 'raspadinha' em meados de dezembro; a concessão será de 25 anos

Lu Aiko Otta, Broadcast

01 Setembro 2017 | 20h30

BRASÍLIA - O lance mínimo pela concessão da Lotex pelo prazo de 25 anos será de aproximadamente R$ 1 bilhão, informou na noite desta sexta-feira, 1, em nota, o Ministério da Fazenda. O valor deverá ser pago em uma única parcela, "como condição para a celebração do contrato de concessão". O governo espera realizar o leilão em meados de dezembro. A expectativa é que a forte concorrência resulte no pagamento de ágio, elevando a arrecadação.

Na nota, a Fazenda informa que o faturamento bruto com a venda de bilhetes será dividida da seguinte maneira: 65% para a premiação, 18,3% para o concessionário e 16,7% para a União.

O modelo para a Lotex que vinha sendo estudado desde 2015, que previa a venda de 51% das ações da Caixa Instantânea S.A. a um parceiro privado internacional, foi abandonado. Estudos conduzidos pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) recomendam a concessão comum desse serviço "não essencial".

Além da viabilidade jurídica da concessão comum, a Fazenda considerou mais três elementos em sua decisão. Primeiro, que a prestação do serviço de loterias passará a ser executada "por conta e risco da concessionária vencedora do processo licitatório". Depois, a ausência de qualquer subvenção da União, ficando a concessionária totalmente responsável pela viabilização da operação.

E, finalmente, pelo fato de a União ficar com 16,7% do faturamento. Os recursos, diz a nota, serão destinados ao esporte, ao sistema penitenciário e à seguridade social. A União também se beneficiará com a arrecadação de tributos sobre a operação do concessionário e pelo recolhimento do Imposto de Renda sobre as premiações.

A Fazenda espera iniciar consulta pública sobre o leilão em setembro e prevê que o edital seja publicado em outubro. O leilão deverá ser realizado "em meados de dezembro", por meio da apresentação de propostas econômicas em envelopes fechados. Esse prazo é estimado, porque o edital precisará passar pelo crivo do Tribunal de Contas da União (TCU), que poderá pedir ajustes.

O critério para a definição do vencedor será o maior valor de outorga. O lance mínimo é próximo a R$ 1 bilhão, segundo a nota da Fazenda. O site do PPI informa o valor exato: R$ 922,1 milhões.

"Espera-se que o leilão atraia os maiores operadores globais de loteria instantânea, o que poderá levar a significativo ágio no valor da outorga, ao aumento da concorrência no mercado de loterias e à modernização do setor no Brasil", diz a nota. "O Ministério da Fazenda espera também que a concessão da Lotex ocasione um forte crescimento do mercado de loterias brasileiro ao longo dos próximos dez anos. Isso significará o crescimento dos recursos destinados a esportes, sistema penitenciário e seguridade social."

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.