Latam apresenta estudo sobre 'hub' do Nordeste

Latam apresenta estudo sobre 'hub' do Nordeste

Oxford Economics prevê que investimento da companhia aérea poderá adicionar até R$ 9,9 bi ao PIB da região em 5 anos

Marina Gazzoni, O Estado de S. Paulo

18 Setembro 2015 | 05h00

O grupo Latam, formado pelas companhias aéreas TAM e LAN, divulgou ontem um estudo da consultoria Oxford Economics sobre o impacto econômico da criação de um hub (centro de distribuição de voos) na região Nordeste. A estimativa aponta que o investimento da empresa aérea adicionará R$ 7,1 bilhões a R$ 9,9 bilhões ao PIB do município escolhido em cinco anos. As cidades de Recife, Fortaleza e Natal disputam o investimento da Latam, estimado em até US$ 1,5 bilhão.

O estudo foi apresentado pela Latam para autoridades do governo federal, dos três municípios e Estados nordestinos envolvidos na disputa.

Em dois anos, o centro de conexões da Latam no Nordeste poderá movimentar 1,1 milhão de passageiros em voos de longa distância e entre 1 milhão e 1,2 milhão nos voos curtos, segundo a Oxford Economics. O relatório também aponta que a cada dólar investido pela Latam, outros US$ 5,2 a US$ 5,8 serão aportados em novas atividades econômicas.

"A avaliação do impacto econômico para a implementação do hub no Nordeste demonstra que estamos no caminho certo em acreditar no potencial de desenvolvimento do Nordeste do Brasil. Os números apresentados são bastante promissores e reforçam nossa confiança no projeto", afirmou a presidente da TAM, Claudia Sender, em comunicado.

O plano da Latam é montar na região um centro de conexões, com foco especial em voos para a Europa, rota favorecida pela localização da região. A empresa já mantém outros hubs no Brasil nos aeroportos de Guarulhos e Brasília.

A Latam ainda fará estudos sobre a qualidade da infraestrutura dos três aeroportos avaliados antes de tomar a sua decisão, prevista para o fim do ano. A empresa também negocia incentivos fiscais com os Estados envolvidos.

Mais conteúdo sobre:
Latam aviação TAM LAN inovação

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.