Nacho Doce/Reuters
Nacho Doce/Reuters

Tribunal dos EUA autoriza Latam a iniciar votação do plano de recuperação judicial

Credores poderão votar plano de reorganização apresentado em novembro do ano passado

Juliana Estigarríbia, O Estado de S.Paulo

22 de março de 2022 | 11h06

O grupo Latam informou que obteve um avanço importante no âmbito da recuperação judicial nos EUA (chamada de Chapter 11 na legislação local), com a aprovação da Declaração de Divulgação por parte da Corte norte-americana. Segundo comunicado, a referida decisão estabelece que as informações fornecidas pela Latam para o processo são suficientes para que os credores comecem a votar o plano de reorganização apresentado em 26 de novembro de 2021.

Com isso, a expectativa é de que nas próximas semanas se inicie o processo de votação do plano. "Isso representa um passo fundamental para a saída da Latam do Chapter 11", diz a aérea.

O tribunal marcou a Audiência de Confirmação para os dias 17 e 18 de maio de 2022, quando a Corte avaliará o plano de reorganização, sendo este o último marco do processo nos Estados Unidos. "A Latam espera sair com sucesso do Chapter 11 durante o segundo semestre de 2022", afirma em comunicado.

Em nota, a aérea destaca que a resolução surge depois de o tribunal ter aprovado a modificação e o novo texto consolidado do contrato de crédito DIP (debtor in possession) entre a Latam e seus financiadores em 15 de março de 2022, que permitirá ao grupo acessar US$ 3,7 bilhões em liquidez e refinanciar seu contrato de crédito DIP existente. Além disso, o novo contrato de crédito prorroga o prazo de validade do primeiro, de acordo com o calendário da Latam.

Na semana passada, o tribunal de Nova York aprovou os acordos de compromisso e apoio ao plano de reorganização e financiamento propostos pela Latam e algumas de suas subsidiárias diretas e indiretas. Esses acordos representam aproximadamente US$ 5,4 bilhões em fundos comprometidos.

 

Tudo o que sabemos sobre:
Latam

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.