Latam faz 'saldão' de pacotes para o Rio na Olimpíada

Agência de viagens dá desconto de até 50% em hotéis no Rio e tenta desovar estoque que encalhou em meio à crise

Marina Gazzoni, O Estado de S. Paulo

27 Julho 2016 | 16h36
Atualizado 28 Julho 2016 | 08h43

A crise econômica e uma onda de notícias negativas envolvendo a Olimpíada levaram a Latam Travel, antiga TAM Viagens e agência de turismo oficial da Olimpíada, a fazer um saldão de pacotes de viagens para o Rio às vésperas do início dos jogos. Com mais de 40% dos quartos ainda disponíveis para os pacotes de hospedagem, a Latam Travel tentará desovar o estoque e convencer o turista brasileiro de que é um bom negócio participar da Olimpíada. A estimativa da Latam é que um pacote para viajar para o Rio durante a Olimpíada custará, em média, metade do preço praticado em dólar na Olimpíada de Londres, de 2012.

A decisão da Latam vai na contramão do modelo de precificação do setor de viagens. Em geral, paga menos quem compra com antecedência e o turista de última hora arca com uma conta maior. Mas, como o estoque da Olimpíada é “perecível”, é melhor vender o produto com desconto do que não vender, admite o diretor-geral da Latam Travel, Marcelo Dezem.

Como patrocinadora, a Latam Travel tem exclusividade na venda de pacotes de viagem para a Olimpíada para empresas e turistas no Brasil - no exterior, outras agências oferecem opções para turistas estrangeiros. Dos 28 mil quartos no Rio de Janeiro disponíveis nos pacotes de hospitalidade, cerca de 12 mil ainda estão desocupados.

A meta da Latam era vender 90% dos pacotes para clientes corporativos, como é usual em uma Olimpíada. Mas as empresas compraram menos do que o previsto e as vendas ficaram entre 30% e 40% aquém da expectativa. “As empresas brasileiras estão tentando preservar caixa e isso impactou nas vendas. E, no caso das multinacionais, as vendas esfriaram pelas notícias negativas sobre o Brasil”, disse Dezem. Informações sobre crise política, zika vírus, poluição da Baía de Guanabara e ameaças de atentados terroristas afugentaram os turistas estrangeiros. “Agora vamos direcionar as vendas para a pessoa física.”

E, para esse cliente, o apelo é preço. A Latam oferecerá pacotes de passagem e hotel no Rio a partir de R$ 409,50, ou R$ 40,95 ao mês, em dez vezes, em uma promoção em vigor entre hoje e domingo, batizada de “Você também pode ir”. Só as passagens aéreas para o Rio custarão a partir de R$ 160 o trecho. Nesta quarta-feira, 27, um voo de São Paulo para o Rio na Latam no fim de semana do Ano Novo custava R$ 464 o trecho. Os ingressos para os jogos não fazem parte dos pacotes e estão à venda apenas nos canais da Rio 2016.

A Azul disse que não tem promoções em vista para o Rio, mas frisou que a oferta de passagens para a cidade é grande e os preços ainda estão acessíveis. A Gol afirmou que não abre seu cronograma de promoções, mas lembrou que é a empresa com maior oferta para os dois aeroportos do Rio de Janeiro.

Última hora. O diretor da Latam Travel diz que ainda é cedo para avaliar se, do ponto de vista comercial, valeu ou não a pena ser a agência de viagens oficial da Olimpíada. Ele ressalta que o turista brasileiro está se interessando pelos jogos na última hora e as vendas podem reagir. A busca por hotéis no Rio no site da Latam Travel nesta semana foi 401% maior do que a registrado na semana passada.

Dezem garante que a Olimpíada trouxe ganhos de marca para a empresa. “Começamos o patrocínio como TAM e terminamos como Latam. A Olimpíada nos ajudou a comunicar uma troca de marca”, disse. Ele lembrou que a empresa é a segunda marca mais lembrada entre os patrocinadores da Olimpíada, segundo pesquisa da consultoria Interbrand. Para ele, as notícias ruins relacionadas aos jogos não respingaram na marca. 

Mais conteúdo sobre:
Olimpíada Latam

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.