Coluna

Thiago de Aragão: China traça 6 estratégias para pós-covid que afetam EUA e Brasil

Latinos e UE discutem acordo sobre comércio de banana

Depois de 15 anos de disputa, os países latino-americanos e a União Europeia estão próximos de concluir as negociações sobre o comércio de banana. O entendimento poderia ser anunciado nesta semana, facilitando as exportações de bananas da região para o maior mercado consumidor hoje do produto, a Europa.

JAMIL CHADE, Agencia Estado

29 de novembro de 2009 | 15h07

A ideia do Brasil, Equador, Costa Rica e Colômbia é garantir que a tarifa de importação na Europa passe de 176 euros por tonelada para 148 euros. Em oito anos, a taxa cairia para 114 euros. Os países latino-americanos já conseguiram que a Organização Mundial do Comércio (OMC) condenasse as práticas europeias. Mas até hoje Bruxelas jamais implementou as correções nas tarifas. As dificuldades são duas: a produção da Espanha e o acesso que as ex-colônias africanas ainda se beneficiam no mercado europeu.

No fundo, porém, a disputa é ainda uma guerra entre Europa e Estados Unidos. A maioria das exportações latino-americanas é feita por multinacionais americanas instaladas nos diversos países. Hoje, o maior fornecedor de bananas para a Europa é o Equador, com 1 milhão de toneladas por ano. No Brasil, as vendas chegam a 70 mil.

Bruxelas insiste que, para um acordo ter validade, outros entendimentos precisarão ser estabelecidos. Um deles é um tratado geral sobre o comércio de produtos agrícolas tropicais, como frutas. A segunda exigência é de que os americanos também aceitem a proposta.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.