Sergio Moraes/Reuters
Sergio Moraes/Reuters
Imagem Laura Karpuska
Colunista
Laura Karpuska
Economista
Conteúdo Exclusivo para Assinante

A privatização de uma estatal precisa ir além da geração de recursos de curto prazo

Sachsida e Guedes incluíram Petrobras e PPSA em um suposto plano de privatização; qual o objetivo, se é que existe algum, além de gerar receitas fiscais de curto prazo?

Laura Karpuska*, O Estado de S.Paulo

20 de maio de 2022 | 04h00

Nos primeiros dias como ministro de Minas e Energia, Adolfo Sachsida disse que gostaria de privatizar a Petrobras. A privatização da empresa vai na contramão do discurso intervencionista, e pouco republicano, do presidente Jair Bolsonaro.

Bolsonaro já trocou o presidente da empresa duas vezes. As duas mudanças ocorreram em meio à escalada de preços de combustíveis. Em maio do ano passado, Bolsonaro disse para apoiadores na frente do Palácio da Alvorada que “é para interferir mesmo” na companhia. Afinal, ele é o presidente. Bolsonaro também reclamou recentemente do alto lucro da empresa. Mas não comentou que esse lucro retorna sob a forma de dividendos para os acionistas, entre os quais, estão o próprio governo e vários fundos de pensão.

Sachsida e Guedes incluíram não apenas a petroleira em um suposto plano de privatização, mas também a PPSA. A estatal não possui ativos, mas é a controladora dos contratos do regime de partilha de óleo do pré-sal feitos no governo Dilma. Em 2020, Guedes já havia comentado seu desejo de privatizar a PPSA, dizendo que isso poderia gerar R$ 500 bilhões em arrecadação para a União. Na ocasião, o ministro disse que o recurso poderia ser utilizado para pagar a conta da pandemia ou para ampliar programas sociais. Qual o objetivo do ministro, se é que existe algum, além de gerar receitas fiscais de curto prazo?

A privatização de uma empresa, especialmente do porte da Petrobras, e a venda de contratos futuros de petróleo, hoje controlados pela PPSA, precisam ir além da geração de recursos de curto prazo. Discutir privatização é discutir o papel do Estado na economia. Privatizar é fazer a escolha de não ter o governo federal como maior acionista de uma empresa monopolista em um grande setor da economia. Muitas perguntas devem ser feitas. Por que se privatizaria a Petrobras? O que o Estado quer com esta política? O que nós queremos do Estado? 

Apesar do barulho com a privatização da empresa, é claro que os esforços estão mesmo voltados para um controle de preços temporário ou uma política de suavização de reajuste de preços – algo que poderia ser até positivo, a depender de como desenhado. O discurso de privatização por ora tira o foco de outras políticas que poderiam ser viáveis, do discurso desestabilizador do presidente e de catástrofes legislativas que vão passando em outras áreas, como homeschooling. 

Chega a ser cômico ver o mesmo governo que interfere na empresa – e em tantas outras instituições – defender sua privatização. 

*PROFESSORA DO INSPER, PH.D. EM ECONOMIA PELA UNIVERSIDADE DE NOVA YORK EM STONY BROOK 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.