Lavagem de dinheiro movimenta US$ 500 bi por ano

As operações de lavagem de dinheiro movimentam cerca de US$ 500 bilhões ao ano, dos quais US$ 400 bilhões são gerados pelo narcotráfico. Os valores constam de documento elaborado pelo consulado americano, que promove um seminário sobre o assunto no Rio. A estimativa sobre o valor total é de especialistas, já que, segundo o documento, não se sabe "o quanto essa formidável máquina consegue lavar anualmente". Já as projeções da parte ligada ao narcotráfico foram atribuídas a estimativas do Fundo Monetário Internacional e do Banco Mundial. O documento cita ainda a avaliação de autoridades do governo americano de que "traficantes de drogas se beneficiam das habilidades militares dos terroristas, do fornecimento de armas e do acesso às organizações clandestinas. Além disso, os terroristas ganham fonte de renda e a assessoria na transferência ilícita dos lucros obtidos nas transações ilegais?. O número de inquéritos abertos pela Polícia Federal com base na lei de lavagem de dinheiro saltou de 124 em 2000 para 177 no ano passado. O dado foi apresentado pela presidente do Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf), Adriene Senna, durante seminário no Rio. Segundo ela, o Coaf já recebeu 14 mil notificações de operações suspeitas desde a entrada em vigor da lei, que estabelece três obrigações básicas ao sistema financeiro: identificação de clientes e formação de cadastro, identificação de todas as obrigações financeiras feitas e o informe de transações aparentemente ilegais. A lei brasileira também prevê que a lavagem pode ocorrer em outros setores econômicos, desde o imobiliário aos leilões de arte, passando pela bolsa de valores, câmbio e loterias. Segundo a presidente do Coaf, o Brasil faz parte dos 10 países que cumpriram todas as recomendações de combate ao crime do grupo de ações financeiras internacionais (Gafi) junto à OCDE (Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico).

Agencia Estado,

22 de março de 2002 | 12h09

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.