Lavagna consegue aprovar projetos exigidos pelo FMI

O ministro de Economia, Roberto Lavagna, conseguiu ontem, à noite, a aprovação de dois projetos que o ajudarão a avançar nas negociações com o Fundo Monetário Internacional (FMI). A Câmara dos Deputados aprovou as mudanças que o FMI pedia na Lei de Entidades Financeiras e na Carta Orgânica do Banco Central para dar início à reforma do sistema financeiro. Além disso, o BC poderá adiantar ao Tesouro cerca de US$ 1,9 bilhões para completar a soma de US$ 2,9 bilhões que o governo necessitará para pagar o primeiro vencimento da dívida com o FMI, no dia 9 de setembro próximo, após o término do atual acordo com o organismo. Em caso do novo acordo não ser assinado antes desta data, o que permitiria o refinanciamento da dívida, o governo já tem assegurado o dinheiro das reservas para o pagamento. Porém, antes disso, Roberto Lavagna terá de convencer o presidente Néstor Kirchner a sancionar rapidamente as leis e a autorizar o uso das reservas do BC.Apesar da aprovação das leis que são consideradas um avanço para as negociações com o FMI, estas encontram-se em um momento delicado, segundo a opinião de um dos negociadores argentinos com bom tráfego no organismo internacional. O problema continua sendo a falta de uma posição de consenso em torno do superávit fiscal que o país deverá apresentar nos próximos anos de vigência do futuro acordo. A fonte disse que os técnicos do FMI esperam que o ministro Roberto Lavagna decida como avançar nas negociações sem a definição mais importante que é a do índice de superávit. É a partir desses números que o governo poderá fechar a proposta de reestruturação da dívida, do orçamento de 2004 e das demais metas do acordo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.