finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Lavagna diz que FMI fez mudanças de última hora

O ministro de Economia da Argentina, Roberto Lavagna, contou ao jornal espanhol El País que o acordo com o Fundo Monetario Internacional (FMI) demorou por causa de mudanças de último momento do organismo. Ao ser consultado sobre quais os pontos de desencontros de última hora, Lavagna respondeu que os temas em discussão foram o superávit fiscal a partir do ano 2004, para o qual foi se chegou a um acordo de 3%. ?E outros assuntos como os ritmos, digamos assim, de desembolso do FMI. Sobretudo esta última questão parece ser a de maior peso. Devo dizer que foi introduzida pelo FMI no domingo passado, dia 7, pela noite". O ministro criticou essa mudança ao dizer que "isto é o que nunca deve fazer em uma negociação desse calibre. Quando já se tem um pré-acordo estabelecido não se pode introduzir novos elementos". Em relação aos pagamentos e aos desembolsos, Lavagna afirmou: "Tínhamos levantado, segundo eu tenho dito, um acordo geral. Suponho que os executivos do Fundo devem ter rediscutido o tema no domingo pela tarde e a continuação se comunicaram conosco. Não vou avançar demasiado nisto. Estamos negociando. Mas lhe digo que este é um dos pontos... Isto estava praticamente fechado no sábado pela noite e no domingo veio esta mudança importante". Para esclarecer o assunto de pagamentos e desembolsos, o ministro de Economia explicou que estes dizem respeito às relações financeiras entre a Argentina e o FMI. ?Nosso país tem que fazer uma quantidade de pagamentos e, simultaneamente, recebe desembolsos do FMI. Estas duas variáveis, insisto, tinham um calendário de pagamentos pré-acertado e no domingo nos apresentaram outro diferente".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.