Lavagna diz que Petrobras investirá em gasoduto na Argentina

A Petrobras concordou em investir US$ 200 milhões em um fundo argentino para expandir um gasoduto no sul daquele país, disse o ministro da Economia da Argentina, Roberto Lavagna. O acordo, que quebra um impasse que surgiu depois que a companhia resistiu em participar do projeto, parece ter sido acertado por autoridades brasileiras com as quais Lavagna se reuniu ontem. "O investimento foi confirmado", disse Lavagna em coletiva em Brasília, de acordo com a Associated Press. "Esses investimentos vão atingir US$ 200 milhões, e empresas dos dois países deverão participar da execução do projeto." Negociações difíceis O governo argentino está envolvido em negociações difíceis com a Petrobras Energía Participaciones SA sobre a contribuição da empresa para um fundo que visa à expansão do gasoduto San Martín, controlado pela transportadora de gás natural Transportadora de Gas del Sur SA (TGS). Outras empresas de energia foram convidadas a participar, mas a Petrobras sofreu pressão adicional porque detém uma fatia majoritária na TGS. Reportagens locais publicadas esta semana informavam que o governo estava ameaçando excluir a TGS de seu contrato, caso a Petrobras não fizesse os investimentos necessários para a expansão da capacidade do gasoduto. Outras reportagens informavam também que o governo argentino está reavivando a pressão para que a Petrobras cumpra a promessa de vender sua fatia na transportadora de energia de alta voltagem Transener SA. O compromisso com a venda dessa fatia foi uma precondição para a aprovação regulatória da compra, pela Petrobras, do conglomerado Pérez Companc em 2002.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.