Lavagna se reúne amanhã com representante do FMI

No meio de um clima de forte pressão externa, o ministro de Economia da Argentina, Roberto Lavagna, terá amanhã a possibilidade de estender a mão ao Fundo Monetário Internacional (FMI). Lavagna vai se reunir com Horst Köhler, diretor gerente do Fundo, para tentar afastar o clima que ameaça prejudicar relação com esse organismo e com a comunidade financeira internacional.A postura irredutível, pelo menos até agora, da Argentina para com os credores privados certamente estará sob a mira dos Estados Unidos, Japão, Canadá, Alemanha, Reino Unido, Itália e França, as nações mais ricas do planeta, que ali estiveram reunidas até o sábado último, em reunião do poderoso G-7.De acordo com o jornal "La Nación", dois temas devem dominar o encontro. Primeiro, o processo da reestruturação da dívida em default e, depois, a aprovação da segunda revisão do acordo assinado setembro, prevista para marco, quando vencem US$ 3,1 bilhões da parcela que o país deve ao Fundo.Ainda de acordo com o "La Nación", Köhler falou ontem com Lavagna por telefone e o convidou a viajar a Miami para debater, pessoalmente, o que de fato significam as tão controvertidas declarações do presidente Néstor Kirchner e de outros funcionários do governo argentino contra o FMI e contra os credores privados nos últimos dias.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.