Lavagna tentará liberar empréstimo do Bird

O ministro de Economia, Roberto Lavagna, iniciará hoje, em Washington, articulações para destravar o desembolso de US$ 500 milhões de dólares, do Banco Mundial (Bird), que serão utilizados no resgate das "quase-moedas" ou moedas paralelas, que são os papéis emitidos pelas províncias para auto-financiamento e pagamento de funcionários públicos. No Banco Mundial consideram que as conversações estão bem encaminhadas e que o organismo estaria disposto a liberar os recursos porque serão destinados ao "saneamento do sistema financeiro", disse uma fonte do organismo, em Buenos Aires. Porém, o presidente do Bird, James Wolfensohn, condiciona a liberação à inclusão das quase-moedas Lecop, emitidas pelo Governo Federal, inicialmente fora do programa de resgate.Lavagna terá que prestar contas sobre a herança que o governo deixará para o próximo Presidente, a ser eleito no dia 27 de abril. O acordo entre a Argentina e o FMI, assinado no dia 17 de janeiro passado, terminará em agosto. Além disso, Roberto Lavagna tentará tranquilizar o FMI sobre o processo eleitoral do país. Hoje, ele jantará com Anoop Singh, Diretor do Hemisfério Ocidental, e John Thornton, encarregado do caso argentino, ocasião em que comunicará que aceitou, ontem, o convite do candidato oficial, Néstor Kirchner, de ser o chefe de sua equipe econômica. A presença de Lavagna num eventual governo Kirchner é visto pelos representantes do FMI como garantia de continuidade com os compromissos de controle fiscal, o ponto que mais complicou a situação financiera da Argentina.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.