bolsa

E-Investidor: Itaúsa, Petrobras e Via Varejo são as ações queridinhas do brasileiro

Lavagna viaja hoje para os Estados Unidos

O ministro de Economia da Argentina, Roberto Lavagna, viajará hoje à noite para Nova York e Washington para reunir-se com o Fundo Monetário Internacional, funcionários do Tesouro norte-americano e banqueiros. Os analistas consideram que Lavagna leva apenas uma vantagem: o medo de que a situação do Brasil se transforme numa grave crise que complique a região. Alguns economistas ouvidos pela Agência Estado acreditam que este fator poderá forçar a diretoria do FMI a tomar logo a decisão que está sendo cozinhada há seis meses e fechar um acordo com a Argentina.Existe a expectativa de que Lavagna volte a Buenos Aires com pelo menos o anúncio do envio da missão negociadora nos próximos dias. No caso de um acordo, estima-se que o país passaria por auditorias a cada dois meses, com os técnicos fazendo as contas detalhadas dos gastos da União e das províncias. O FMI não considera que a Argentina tenha cumprido todos os requisitos exigidos para o acordo, como o fato da Lei de Subversão Econômica ter sido revogada e alguns artigos terem sido incluídos no Código Penal.O veto parcial do presidente Eduardo Duhalde a estes artigos não foi suficiente para as exigências do organismo, bem como a questão dos pactos bilaterais entre a União e as províncias para o cumprimento do compromisso de cortar os gastos públicos em 60%. Algumas províncias ainda não assinaram o pacto e outras assinaram somente o protocolo de intenções. Além disso, a renúncia do presidente do Banco Central, Mario Blejer, deverá ser discutida à parte, já que sua permanência era requisito para o fechamento do acordo.Lavagna tentará um acerto que permita o refinanciamento dos vencimentos da dívida que a Argentina mantém com os organismos internacionais a partir de julho de 2002 a dezembro de 2003, que somam US$ 18 bilhões.A agenda oficial de viagem do ministro ainda não foi divulgada mas se sabe que ele terá um almoço reservado com Anoop Singh, o diretor do Hemisfério Ocidental, na quinta-feira. No mesmo dia, pela manhã, se reunirá com Anne Krueguer, a número dois do FMI. À tarde se encontrará com o secretário do Tesouro dos EUA, Paul O´Neill, e seu segundo, John Taylor.Lavagna passará toda a manhã de quarta-feira reunido com banqueiros para discutir o programa monetário, principalmente no tocante aos empréstimos que o BC concede. No encontro, organizado pelo lobista Alan Stoga e contratado pelo ex-ministro de Economia Jorge Remes Lenicov, estarão banqueiros importantes como William Rhodes, do Citibank, e Brian O´Neill, do JP Morgan.O governo prevê em seu programa um esquema que permita que os bancos estrangeiros aportem um dólar para cada dólar que recebam de empréstimo do BC. Na sexta-feira, o ministro de Economia se reunirá com os representantes do Banco Mundial (BIRD) e do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID). O ministro viajará junto com o secretário de Finanças, Guillermo Nielsen. Eles ficarão um dia em Nova York e dois em Washington.Leia o especial

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.