LCI é boa opção para perfis mais conservadores

Uma das vantagens é a isenção do imposto de renda, além da garantia de até R$ 250 mil dada pelo Fundo Garantidor de Crédito (FGC)

Fábio Gallo, O Estado de S. Paulo

26 Junho 2017 | 05h00

As LCIs seguem sendo aplicações atraentes? Com a queda da taxa de juros, ainda é interessante aplicar em um papel que só permitirá resgate daqui a dois anos? Para um perfil conservador, um fundo de renda fixa seria mais rentável?

A Letra de Crédito Imobiliário (LCI) é um bom investimento para as pessoas físicas com perfil conservador, que buscam aplicações mais seguras, ou para aqueles que estão diversificando suas carteiras. Uma das vantagens é a isenção do imposto de renda, além da garantia de até R$ 250 mil dada pelo Fundo Garantidor de Crédito (FGC). Quanto maior o prazo e o valor de aplicação, maior rentabilidade oferecida ao investidor. A LCI é um título de renda fixa emitido por bancos ou outras instituições financeiras autorizadas pelo Banco Central com o objetivo de financiar empreendimentos do setor imobiliário. As ofertas de mercado têm sido pós-fixadas com base em uma porcentagem da variação do CDI (Certificado de Depósito Interbancário). Atualmente há no mercado ofertas de LCIs na faixa de 80% a 85% do CDI. A título de comparação, a rentabilidade anualizada da Caderneta de Poupança está na faixa de 6,93%, enquanto o CDI está em 10,14% ao ano. Como para dois anos de aplicação a taxa gira na faixa de 85% do CDI, a rentabilidade da aplicação em LCI seria de 8,62% líquidos ao ano. Pesquise e você encontrará boas alternativas no mercado, lembrando que a garantia independe da instituição, uma vez que os recursos vêm do FGC. Planos de previdência privada devem ser opção para aqueles que estejam pensando na aposentadoria, mas eles têm custos elevados. Os fundos de renda fixa são interessantes, desde que tenham taxas abaixo de 1,5%. Uma opção interessante, e que pode trazer mais retorno, é investir em CDBs. São títulos com garantia do FGC e têm sido oferecidos com boas taxas, mas como pagam imposto de renda, a comparação tem de ser em termos líquidos. Outra alternativa é pesquisar nos bancos digitais e nas Fintechs que são instituições financeiras mais ágeis, com custos menores e têm oferecido taxas muito boas. Não deixe de comparar, também, com títulos do Tesouro Direto com vencimento no prazo desejado 

Eu e minha mulher somos idosos e havíamos investido em LCI. Preocupados com o inventário, resolvemos transferir recursos para o fundo de previdência do banco em que temos conta. Essa decisão foi acertada? Podemos perder dinheiro?

A intenção dessa aplicação foi atender à questão da sucessão. Um dos aspectos interessantes da previdência é o de justamente permitir transferir os recursos para os beneficiários sem todos os custos envolvidos nos inventários. Os riscos de um fundo previdenciário são iguais a qualquer outro fundo em relação ao risco de crédito e de mercado. Explicando melhor, o risco de crédito é o da seguradora que administra o fundo. O risco de mercado é o de o desempenho do fundo não ser o esperado, embora esses fundos tenham perfil conservador. A perda apontada por um leitor em coluna anterior não deixou claro se a aplicação que ele havia realizado foi efetivamente em previdência privada. Foi o que questionei na minha resposta. Por outro lado, quando temos como objetivo a sucessão, os outros caminhos são jurídicos como: a doação em vida. No caso particular desse casal, acredito que por conta dos valores envolvidos, esses recursos possam ficar em previdência. Mas a dica é verificar todas as condições estipuladas nesse plano e comparar com alternativas de mercado. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.