LDO prevê inflação de 4,5% em 2009

O projeto de Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) para 2009 prevê que o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) será de 4,5% no ano que vem, taxa equivalente à meta de inflação definida pelo Conselho Monetário Nacional (CMN) para este ano e à previsão para o IPCA em 2008. A LDO prevê também acréscimo de 4,5% para o IPCA em 2010 e 2011. Para a taxa de juros, a Selic, em dezembro de 2009, a estimativa é de que fique em 10,5% ao ano. Para 2010 e 1011, a LDO trabalha com Selic de 9,8% ao ano e 9% ao ano, respectivamente. O superávit primário do setor público (economia que o governo faz para pagamento de juros da dívida) foi mantido em 3,8% até 2011 e o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) em 5% ao ano até 2011, conforme já havia antecipado o ministro do Planejamento, Paulo Bernardo. Com isso, a projeção para a dívida líquida do setor público em 2008 ficou em 40,9% do PIB, caindo para 37,9% em 2009, 34,6% em 2010 e 31% em 2011. Para a taxa de câmbio, o cenário da LDO é que o dólar esteja valendo R$ 1,77 no fim de 2008, R$ 1,85 no final de 2009, R$ 1,91 em 2010 e R$ 1,94 em 2011.O déficit nominal do governo federal foi previsto em R$ 8,627 bilhões em 2009, equivalente a 0,28% do Produto Interno Bruto (PIB). O projeto prevê receitas primárias no valor de R$ 757,456 bilhões no próximo ano, equivalentes a 24,33% do PIB. As despesas primárias estão projetadas em R$ 688,958 bilhões (22,13% do PIB). Além disso, foram previstas despesas no âmbito do Projeto Piloto de Investimentos em 2009 em R$ 15,567 bilhões, equivalente a 0,50% do PIB. A estimativa para 2008 é de R$ 13,825 bilhões, o correspondente a 0,49% do PIB.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.