Leasing: números e perspectivas

A Associação Brasileira das Empresas de Leasing (Abel) divulgou ontem o balanço mensal das operações de leasing. O resultado foi uma alta de 13% de volumes negociados em relação ao ano passado, superando R$ 6 bilhões no acumulado até agosto. Os contratos prefixados lideraram as operações desse tipo de financiamento, com 90,2% do total, e as pessoas físicas continuam sendo os principais contratantes desse sistema, com 34,5% de participação. De acordo com o vice-presidente da Abel, Rafael Cardoso, o aumento do volume de contratos de leasing em relação ao ano passado foi motivado, principalmente, pelo crescimento da economia e da renovação das frotas e de máquinas por empresas. Para o final do ano, a expectativa de Cardoso é de um aumento ainda maior no número de contrato em função do aumento de dinheiro disponível com o pagamento do 13º salário aos trabalhadores. Frente aos números expressivos, é importante analisar as vantagens dos contratos de leasing para quem quer financiar bens como carros e imóveis. Veja mais informações sobre o sistema de leasing na cartilha de crédito do site Finanças Pessoais disponível no link abaixo. Como usar o 13º salário?O consumidor que deseja quitar algumas parcelas usando o 13o salário deve solicitar, à revendedora, um boleto de parcelas antecipadas. Se, por exemplo, a intenção do cliente é pagar seis parcelas de uma vez, os juros referentes a cada uma delas não serão mais cobrados. Em casos de quitação completa, haverá um desconto total dos juros.Para quem está entrando com um contrato de leasing agora, usar o 13o salário logo na parcela de entrada do financiamento também é um bom negócio, já que o valor destinado à entrada é flexível. Se a pessoa preferir quitar metade do valor do veículo logo nesta primeira parcela acabará reduzindo bem o saldo residual, o que significa futuras parcelas menores e com juros mais baixos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.