Divulgação
Divulgação

Lego lança robô de montar com conexão para tablet e celular

Track3r desperta mais expectativa entre engenheiros do Vale do Silício do que entre as crianças

22 de agosto de 2013 | 20h18

SÃO JOSÉ, CALIFÓRNIA - Poucas crianças estão mais animadas do que os engenheiros do Vale do Silício com o novo brinquedo  Mindstorms, que a Lego lança em setembro.

Muitos desses engenheiros foram atraídos para o setor de tecnologia pelos kits emblemáticos lançados no fim dos anos 1990, com movimentos computadorizados para os tradicionais blocos de plástico de encaixar do brinquedo mais popular do mundo.

O lançamento permitiu aos jovens inovadores construir seus primeiros robôs. A Lego continua expandindo a linha de produtos Mindstorms e acaba de anunciar a nova edição EV3, com a qual se pode construir o robô Track3r.

Esta versão é a terceira edição da plataforma robótica Lego que avançou para incluir suporte Bluetooth, pontos de conexão USB e controle remoto. O brinquedo virou uma diversão para crianças nem tão crianças.

Tablet. Hackers profissionais também vão encontrar muita coisa para fazer com o novo Mindstorms, que utiliza o software de fonte aberta Linux e aplicativos de controle integrados para tablets e telefones celulares.

 

A partir de setembro, a Lego vai abrir um espaço na internet para os admiradores do brinquedos compartilharem imagens das suas montagens.

O kit Midstorms EV3 vai custar cerca de US$ 350, ou aproximadamente R$ 800. São mais de 550 peças coloridas com um manual que explica como fazer o robô. Com destreza, uma pessoa pode montar o Track3r em uma hora.

"Todo mundo com quem trabalho gosta de brincar de Lego com os filhos, e muitas vezes sentamos para conversar no trabalho sobre o brinquedo", comenta o engenheiro Travis Schuh, que costuma usar os blocos de plástico quando precisa de um protótipo rápido na empresa de robótica onde ele trabalha, no Vale do Silício.

 

Os novos conjuntos de Mindstorms são mais simples para o público jovem e mais versáteis para os usuários sofisticados do que duas versões anteriores.

 

Clientes. Os conjuntos são projetados para crianças acima de 10 anos. O preço é bem mais alto do que os brinquedos de construção típicos, mas o cliente recebe um sistema muito mais complexo e poderoso.

 

"Na verdade, há muita engenharia nas peças de Lego e os sistemas que você pode desenvolver quando precisa de protótipos são bastante sofisticados", comenta o professor de engenharia Christian Gerdes, da universidade Stanford , que costuma usar o brinquedo em sala de aula.

Baseado em São Francisco, o engenheiro de software Will Gorman é um dos usuários adultos do brinquedo. "Eu não me considero um adulto realmente", disse o engenheiro de 36 anos, pai duas crianças.

O co-fundador da empresa ProtoTank, Adam Ellsworth, em São Francisco, diz que "há no Vale do Silício uma cultura do design influenciada pelos tijolos de montar da Lego, com os quais muitos de nós começamos a pensar em tecnologia".

"Este lugar é apenas uma estação em tamanho grande de Lego", acrescentou, erguendo a voz acima do zumbido dos cortadores a laser e impressoras 3D.

 

Brinquedo famoso. Baseada na Dinamarca, a Lego foi criada há 55 anos e logo conquistou o título de brinquedo mais popular do mundo. Funcionários da empresa dizem que o Mindstorms, projetado para crianças, transformou-se rapidamente em alvo de interesse dos adultos.

"Nos últimos 15 anos, temos trabalhado arduamente para equilibrar as necessidades e desejos deste mercado para envolver as crianças", disse Michael McNally, diretor da marca no Lego Systems.

 

Kellen Asercion, estudante de pós-graduação de engenharia em Stanford, conta que brinca com Lego desde o jardim da infância. "Conjuntos de Lego são praticamente os únicos responsáveis pelo meu interesse em engenharia", disse ele.

Tudo o que sabemos sobre:
Lego

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.