Lehman Brothers quebrou e mudou a economia global

Após dez anos, emergentes estão mais endividados, crescimento europeu ainda não deslanchou e desigualdade mundial está maior

Andrei Netto, O Estado de S.Paulo

09 Setembro 2018 | 05h00

PARIS - Os sinais de que um crash financeiro era iminente já vinham sendo lançados desde agosto de 2007, quando o banco varejista francês BNP Paribas anunciou o congelamento dos saques em três de seus fundos atrelados a créditos imobiliários de alto risco. Tratava-se então, na visão dos europeus, do marco zero da crise dos “subprimes”. Mas foi à 1h45 da manhã de 15 de setembro de 2008, em Nova York, quando o banco Lehman Brothers declarou falência, deixando pendurada um conta de US$ 691 bilhões e 25 mil funcionários na rua, que o mundo mergulhou em um turbilhão financeiro sem precedentes desde o crash de 1929. 

Dez anos depois da quebra do banco de investimentos americano que chocou Wall Street e o mundo das finanças, os efeitos globais da crise ainda se fazem sentir – inclusive no Brasil. Maior falência da história dos EUA, o desaparecimento do Lehman Brothers provocou a pior queda do índice Dow Jones, o principal da bolsa de valores de Nova York, desde os atentados às Torres Gêmeas em 2001. Também desestabilizou de vez o sistema financeiro internacional, abriu as portas para a crise especulativa sobre as dívidas na zona do euro, na UE, e provocou de forma indireta a derrubada do preço das matérias-primas, o que abalou a economia brasileira.

Em razão da reação de governos como os da Europa, que encamparam parte das dívidas do sistema financeiro para debelar uma ameaça sistêmica, ao longo da Grande Recessão, como a década ficou conhecida, a dívida mundial cresceu de 200% do PIB mundial para 244% no final de 2017, segundo dados do Banco de Compensações Internacionais (BIS), com sede em Basileia, na Suíça. 

“Está claro que o superendividamento maciço das economias avançadas foi um fator de detonação da crise financeira mundial de 2007 e 2008”, analisa o ex-presidente do Banco Central Europeu (BCE), Jean-Claude Trichet, autoridade monetária da zona do euro entre 2003 e 2011. “Desde então, o crescimento do endividamento, em especial privado, dos países avançados desacelerou-se, mas essa desaceleração é compensada por uma aceleração do endividamento de países emergentes. É o que torna hoje o sistema financeiro mundial ao menos tão vulnerável, senão mais, do que em 2008.”

Epicentro. Nos Estados Unidos, epicentro da crise, pesquisa do Fed de São Francisco indica que a perda de renda média entre 2007-2017 foi de US$ 70 mil por cidadão americano.

Do outro lado do planeta, a China, sofre ainda hoje os efeitos do endividamento excessivo, contraído no impulso governamental de fomentar a economia. Dependente das exportações, Pequim respondeu à crise lançando em 2008 um pacote de estímulo da ordem de US$ 585 bilhões pelo câmbio atual – com o objetivo de manter o ritmo de crescimento. 

O salto do endividamento causado pelo programa levou a queda no ritmo de importações de commodities, o que marcou o fim do super ciclo das matérias-primas, que financiava o crescimento de países emergentes como o Brasil e a Rússia.

Além de derrubar a performance dessas nações, levando à recessão e desequilibrando suas contas públicas, o fim do ciclo das commodities teve reflexos nas bolsas de valores, com a substituição das companhias multinacionais de energia pelas gigantes de tecnologia. Não por acaso duas delas, Apple e Amazon, têm valores de mercado de US$ 1 trilhão. 

Na zona do euro, os efeitos da crise que ameaçou derrubar a moeda única e arrastar a UE ainda se fazem sentir. Depois de levar Grécia, Irlanda, Espanha e Chipre à lona, exigindo grandes volumes de empréstimos ao Fundo Monetário Internacional (FMI), a crise das dívidas continua a prejudicar o crescimento. Em média, a UE cresceu menos do que EUA e Japão na última década.

Para Patrick Artus, economista e diretor de Pesquisas e de Estudos do banco de investimentos francês Natixis, apenas em parte a crise europeia foi resolvida. “Tecnicamente resolvemos o problema da dívida na Grécia. Mas não resolvemos o da crise”, entende Arthus, autor do livro A Loucura dos Bancos Centrais – Por que a próxima crise será pior.

Além disso, políticas de austeridade fiscal severas e desequilibradas – na avaliação do FMI – também aprofundaram a desigualdade, ampliando a percepção de grandes segmentos da população de que a globalização beneficia mais ricos do que pobres. Para cientistas políticos, essa convicção ajuda a explicar fenômenos como o Brexit, e a emergência de partidos populistas e de extrema direita em todo o mundo, até nos EUA, onde Donald Trump venceu.

Encontrou algum erro? Entre em contato

remedio-que-permitiu-marolinha-no-brasil-em-2008-foi-estopim-da-recessao

Liberação de dinheiro de bancos públicos, cortes de impostos e incentivo ao consumo amenizaram o impacto da crise financeira dez anos atrás, mas, segundo economistas, insistência em aplicar essa receita para aquecer economia empurrou o País para situação atual

Fernando Scheller, O Estado de S.Paulo

09 Setembro 2018 | 05h00

O próximo sábado vai marcar dez anos de um momento crucial para a economia global: a quebra do banco Lehman Brothers, considerada o início oficial da crise originada na farra de financiamentos imobiliários nos EUA, que, num efeito dominó, derrubou mercados de todo o mundo. Por aqui, o tsunami foi apelidado de “marolinha” pelo governo da época, após medidas de estímulo terem amenizado a recessão. No entanto, uma década mais tarde, enquanto o mundo surfa uma onda positiva, o Brasil ainda luta para se livrar de uma das maiores crises de sua história. E a gênese dessa troca de papéis pode estar precisamente no remédio aplicado pelo País em 2008.

O problema, segundo economistas ouvidos pelo Estado, reside menos nas medidas tomadas há dez anos – liberação de dinheiro de bancos públicos, cortes de impostos e incentivo ao consumo –, mas na insistência em aplicar o mesmo remédio sempre que a economia deu sinais de desaquecimento desde então. “Quando o Brasil voltou a apresentar problemas, no início do governo Dilma Rousseff, a equipe econômica dobrou a aposta. E repetiu o que foi feito em 2008 e 2009, mas numa situação fiscal totalmente diferente”, diz Samuel Pessôa, economista do Ibre/FGV.

Em outras palavras: a política econômica virou um “samba de uma nota só”, levada no batuque da intervenção estatal. A crise de 2008 ajudou a justificar essa fórmula de expansão, pois vários mercados maduros, EUA à frente, endureceram a regulação e injetaram dinheiro na economia, lembra o economista-chefe do Itaú Unibanco, Mário Mesquita. “A crise de 2008 foi, de certa forma, equivalente à queda do Muro de Berlim. Se a queda do muro provou que o socialismo real tinha falido, a crise financeira validou, para pessoas de um certo viés ideológico, que o neoliberalismo teria falido”, compara.

A turbulência no mundo desenvolvido foi o pretexto para pôr em prática uma posição que era latente no governo Lula desde 2006 – como indicou a escolha de Guido Mantega para substituir Antonio Palocci no Ministério da Fazenda. Do ponto de vista intelectual, a disposição do PT em fazer do Estado o motor central da economia e o fato de a crise ter sido originada na frouxa regulação bancária lá fora juntaram a “fome com a vontade comer”, na visão de Simão Silber, professor da FEA/USP. 

O governo, porém, não comprou sozinho a tese de que a intervenção era necessária, afirma Sérgio Lazzarini, professor do Insper e autor do livro Capitalismo de Laços. “Virou uma cartilha de ação estatal, de apoio e de promoção”, lembra. “Na época eu lembro de conversar com empresários que diziam: ‘É isso mesmo, esse é o nosso modelo’. E perguntavam: ‘você quer ser igual aos Estados Unidos’?”.

Mais conteúdo sobre:
economia Recessão

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.