Lei aumenta limite de empréstimos do governo nos EUA

Objetivo da mudança é garantir recursos para pagar gastos operacionais do governo até fevereiro

Nathália Ferreira, da Agência Estado,

29 de dezembro de 2009 | 12h35

O presidente dos EUA, Barack Obama, assinou ontem, segunda-feira, 28, a lei que aumenta o limite de empréstimos do governo federal, elevando o total de dívida pública que o governo pode deter para quase US$ 12,4 trilhões.

 

O aumento, aprovado pelo Senado na semana passada, impulsiona o limite em US$ 290 bilhões, o suficiente para pagar os custos operacionais do governo até fevereiro.

 

Obama também assinou uma extensão por um ano do Sistema Generalizado de Preferências (GSP, na sigla em inglês) e o Ato Preferencial de Comércio Andino. Os programas, que oferecem a países acesso preferencial aos mercados norte-americanos, venceriam no final do ano. O GSP beneficia mais de 130 países, enquanto o ato andino se aplica a Colômbia, Peru e Equador. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
Estados UnidosEUAempréstimoObama

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.