Ações

Empresas de Eike disparam na bolsa após fim de recuperação judicial da OSX

Lei de março de 2010 possibilitou reabertura da ação

A nova ação dos descendentes de Louis Renault contra o Estado francês foi possibilitada pela lei de março de 2010 que permite aos cidadãos contestar a conformidade da lei com a Constituição. Apoiada pelo presidente Nicolas Sarkozy, provocou enxurrada de ações. Thierry Levy, advogado da família, entrou com a ação há duas semanas, e acha que a família pode receber mais de US$ 140 milhões se os tribunais entenderem que a nacionalização foi ilegal.

, O Estado de S.Paulo

26 de maio de 2011 | 00h00

O problema, disse ele, não é se Louis Renault foi colaborador, mas como seus herdeiros foram tratados. "Se o governo decide confiscar a propriedade de uma pessoa, ela precisa ser julgada e declarada culpada de alguma coisa. Do contrário, o confisco é ilegal." A empresa é avaliada em 11,7 bilhões. O Estado francês detém 15,01% das ações. / NYT

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.