Leia a íntegra do comunicado do IBGE

PIB cresce 1,5% no segundo trimestre na comparação com o primeiro trimestre de 2013

30 de agosto de 2013 | 09h20

"PIB cresce 1,5% em relação ao primeiro trimestre e chega a R$ 1,2 trilhão

Na comparação com o primeiro trimestre de 2013, o PIB (Produto Interno Bruto) a preços de mercado do segundo trimestre cresceu 1,5% na série com ajuste sazonal. O destaque foi para agropecuária (crescimento de 3,9% no volume do valor adicionado), seguida por indústria (2,0%) e serviços (0,8%). Na comparação com o segundo trimestre de 2012, o PIB cresceu 3,3%, com destaque para agropecuária (13,0%) seguida por indústria (2,8%) e serviços (2,4%).

No acumulado nos quatro trimestres terminados no segundo trimestre de 2013 (12 meses), o crescimento foi de 1,9% em relação aos quatro trimestres imediatamente anteriores. No primeiro semestre o PIB apresentou uma expansão de 2,6% em relação a igual período de 2012. O PIB em valores correntes alcançou R$ 1,2 trilhão no segundo trimestre.

A publicação completa pode ser acessada na página

www.ibge.gov.br/home/estatistica/indicadores/pib/defaultcnt.shtm

Em relação ao 1º tri de 2013, todas as atividades econômicas cresceram, com destaque para a agropecuária

O PIB a preços de mercado apresentou crescimento de 1,5% na comparação do segundo trimestre de 2013 contra o primeiro trimestre do ano, na série com ajuste sazonal. O destaque positivo foi a agropecuária, que teve crescimento de 3,9% no volume do valor adicionado. Na indústria houve aumento de 2,0%, enquanto que os serviços registraram expansão de 0,8%.

Todos os subsetores que formam a indústria apresentaram resultados positivos, com destaque para o desempenho da construção civil (3,8%). A indústria de transformação apresentou aumento do volume do valor adicionado de 1,7% em relação ao trimestre imediatamente anterior, seguida pela extrativa mineral (1,0%) e por eletricidade e gás, água, esgoto e limpeza urbana (0,8%).

Dentre os serviços, destaque para o crescimento do comércio (1,7%). As demais atividades também registraram aumento do volume do valor adicionado em relação ao trimestre anterior: intermediação financeira e seguros (1,1%), transporte, armazenagem e correio (1,0%), serviços de informação (0,9%), outros serviços (0,7%) e atividades imobiliárias e aluguel (0,7%). Já a atividade administração, saúde e educação pública manteve-se praticamente estável em relação ao trimestre anterior: variação positiva de 0,1%.

Pela ótica do gasto, a despesa de consumo das famílias e a despesa de consumo da administração pública apresentaram crescimento em relação ao primeiro trimestre do ano (0,3% e 0,5%, respectivamente). Contudo, o destaque positivo na demanda interna ficou por conta da formação bruta de capital fixo (FBCF), com crescimento de 3,6%. No que se refere ao setor externo, as exportações de bens e serviços cresceram 6,9%, enquanto que as importações aumentaram em menor ritmo: 0,6%.

Em relação ao mesmo trimestre de 2012, a FBCF é destaque

O PIB cresceu 3,3% no segundo trimestre de 2013 em relação a igual período de 2012, sendo que o valor adicionado a preços básicos aumentou 3,2%, e os impostos sobre produtos líquidos de subsídios cresceram 4,1%.

Dentre as atividades que contribuem para a geração do valor adicionado, o destaque foi a agropecuária, que neste trimestre cresceu 13,0% em relação a igual período do ano anterior. Este resultado pode ser explicado pelo desempenho de alguns produtos da lavoura que possuem safra relevante no 2º trimestre e apresentaram crescimento nas estimativas de produção anual e da produtividade. É o caso, por exemplo, da soja (23,7%), do milho (12,2%), do feijão (8,4%) e do arroz (2,9%), segundo o LSPA de julho divulgado em agosto.

A indústria apresentou expansão de 2,8% contra uma queda de 1,4% registrada no trimestre anterior. A indústria extrativa declinou 3,9%, puxada pela queda na extração de minério de ferro. Já as demais atividades industriais apresentaram resultados positivos. A indústria de transformação apresentou crescimento de 4,6%. O seu resultado foi influenciado pelo aumento da produção de máquinas e equipamentos; máquinas e aparelhos elétricos; equipamentos médico-hospitalares; indústria automotiva; borracha e plástico; e refino de petróleo e álcool. A construção civil também apresentou aumento no volume do valor adicionado de 4,0%, enquanto eletricidade e gás, água, esgoto e limpeza urbana apresentou crescimento de 2,1%.

O valor adicionado de serviços cresceu 2,4% na comparação com o mesmo período do ano anterior. Todas as atividades que o compõem registraram variações positivas. Destaque para o crescimento de 3,5% do comércio (atacadista e varejista) e de 2,7% tanto dos serviços de informação como de transporte, armazenagem e correio (que engloba transporte de carga e passageiros) e também dos outros serviços. A atividade de serviços imobiliários e aluguel cresceu 2,1%, enquanto que intermediação financeira e seguros e administração, saúde e educação pública cresceram, ambas, 1,5%.

Dentre os componentes da demanda interna, destaque para o crescimento de 9,0% da formação bruta de capital fixo, justificada pela expansão da produção interna de bens de capital. Após registrar queda nos quatro trimestres de 2012, a formação bruta de capital fixo já apresenta o seu segundo resultado positivo consecutivo.

A despesa de consumo das famílias apresentou crescimento de 2,3%, sendo a 39ª variação positiva consecutiva nessa base de comparação. Contribuíram para este resultado o crescimento da massa salarial real e o aumento do crédito nominal para as pessoas físicas. Já a despesa de consumo da administração pública cresceu 1,0%.

No setor externo, tanto as importações quanto as exportações de bens e serviços apresentaram expansão (7,9% e 6,3%, respectivamente). Na exportação, os destaques do crescimento foram: minerais não metálicos; metalurgia; produtos da indústria automotiva; e produtos agropecuários. Entre as importações, destaque para: farmacêuticos e perfumaria; produtos químicos; produtos da indústria automotiva; e extrativa mineral.

Em 12 meses, PIB cresce 1,9%

O PIB a preços de mercado acumulado nos quatro trimestres terminados no segundo trimestre de 2013 cresceu 1,9% em relação aos quatro trimestres imediatamente anteriores, resultado da elevação de 1,7% do valor adicionado a preços básicos e do aumento de 2,6% nos impostos sobre produtos. Dentre as atividades econômicas, o crescimento foi de 7,4% para agropecuária, 1,9% para serviços e 0,1% para indústria.

PIB cresce 2,6% no primeiro semestre

O PIB a preços de mercado no primero semestre de 2013 apresentou crescimento de 2,6%, em relação a igual período de 2012. Nesta base de comparação, o volume do valor adicionado da agropecuária cresceu 14,7%, seguido pelos serviços (2,1%) e pela indústria (0,8%).

No trimestre, taxa de investimento alcança 18,6% do PIB

A taxa de investimento no segundo trimestre de 2013 foi de 18,6% do PIB, superior à taxa referente a igual período do ano anterior (17,9%). A taxa de poupança ficou em 16,6% no segundo trimestre de 2013, ante 16,9% no mesmo trimestre de 2012.

No resultado do segundo trimestre de 2013, a necessidade de financiamento alcançou R$ 41,8 bilhões contra R$ 27,8 bilhões no mesmo período do ano anterior. A renda nacional bruta atingiu R$ 1,2 trilhão contra R$ 1,1 trilhão em igual período do ano anterior. Nessa mesma comparação, a poupança bruta atingiu R$ 200,1 bilhões, contra R$ 186,5 bilhões em 2012.

Comunicação Social

30 de agosto de 2013"

Tudo o que sabemos sobre:
IBGEPIB

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.