finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Leilão da antiga OGX, de Eike, termina sem lances

Empresa de investimentos de Pedro Moreira Salles participaria da disputa, mas não compareceu; outro leilão foi marcado para agosto

Mariana Durão, Mariana Sallowicz, O Estado de S.Paulo

24 de julho de 2014 | 02h05

RIO - Terminou sem lances o leilão em que a petroleira OGPar (antiga OGX) tentava vender sua participação na empresa Parnaíba Gás Natural, que opera blocos no Maranhão. Um acordo previa que a empresa de investimentos Cambuhy, de Pedro Moreira Salles, desse um lance mínimo de R$ 200 milhões, mas a companhia não compareceu ao pregão, realizado ontem, em poucos minutos, no Tribunal de Justiça do Rio. Não houve outros interessados. Agora, uma segunda convocação ocorrerá em 6 de agosto.

A venda da fatia de 36,36% na Parnaíba faz parte do plano de recuperação judicial da OGPar. O documento foi aprovado em assembleia de credores no dia 3 de junho, mas a ausência da Cambuhy no leilão revela que a reestruturação da empresa ainda enfrenta obstáculos judiciais. Credores como o fundo Autonomy e a Petrobrás estão recorrendo para tentar barrar o plano aprovado. Diante disso, a Cambuhy tenta se proteger de uma eventual reviravolta no processo.

Antes do leilão, o grupo chegou a encaminhar uma petição ao juízo da 4ª Vara Empresarial afirmando que não tinha obrigação de dar o lance mínimo enquanto a sentença que aprovou a recuperação judicial não transitar em julgado - isto é, tornar-se definitiva, após todos os recursos.

Com o plano de recuperação 100% aprovado pela Justiça, a Parnaíba pode ser adquirida na condição de Unidade de Proteção Isolada (UPI). Na prática, isso quer dizer que seu comprador fica livre de assumir dívidas fiscais e trabalhistas do antigo dono, no caso, a OGpar.

Procurada, a companhia informou que "vai cumprir o contrato celebrado com a OGX em todos os seus termos". A Cambuhy é uma empresa de investimentos criada em dezembro de 2011 por Pedro Moreira Salles, um dos donos do Itaú Unibanco, Pedro Bodin, Marcelo Barbará e Marcelo Medeiros. Pelo edital do leilão, caso não sejam feitas ofertas válidas na segunda chamada, será considerada vencedora a proposta de aquisição apresentada pela Cambuhy e que consta do plano de recuperação judicial.

"Foi uma surpresa (a Cambuhy não comparecer), mas ainda há uma segunda chamada. Avaliamos que o procedimento correto é fazer o leilão, declarar a Cambuhy vencedora e aguardar o cumprimento das condições para a efetivação do pagamento", disse o advogado Marcelo Carpenter, do Escritório de Advocacia Sergio Bermudes, que representa a OGX na recuperação judicial.

Entre as condições preliminares estão a aprovação da operação pela Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP), do Conselho Administrativo de Direito Econômico (Cade) e a própria sentença definitiva dando aval à recuperação judicial da vendedora OGPar.

O leilão é uma segunda etapa da operação aprovada pelos acionistas da OGPar em novembro de 2013. Em fevereiro, o grupo informou que a Cambuhy e a alemã E.ON - que passou a compartilhar o controle da elétrica Eneva, ex-MPX, após aumentar sua fatia - concluíram o aporte de R$ 250 milhões na Parnaíba Gás Natural, antiga OGX Maranhão. Em nota, a companhia explicava que o aporte garantia à Parnaíba Gás Natural os recursos necessários à continuidade de suas operações.

No negócio, Cambuhy e E.ON subscreveram novas ações da Parnaíba - com aportes de R$ 200 milhões e R$ 50 milhões, respectivamente. Como resultado, a OGPar reduziu sua participação a 36,36% da empresa, a Cambuhy ficou com 36,37%, a Eneva 18,18% e a E.ON 9,09%.

Na ocasião, ficou acertado ainda que a OGPar realizaria um leilão para se desfazer da fatia remanescente, como prevê a Lei de Falências e Recuperação Judicial. O lance mínimo seria da Cambuhy. Se efetivar a compra, a empresa se tornará a maior acionista da Parnaíba, com mais de 70% das ações.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.