finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Leilão de obras de arte amanhã no Rio

A Bolsa de Arte do Rio realizará amanhã o primeiro leilão de obras de artes deste ano. O evento ocorrerá às 21h no Copacabana Palace. Segundo o diretor da Bolsa de Arte, Jones Bergamin, o evento dará uma perspectiva do mercado para este ano. Ele afirma que a alta do dólar aquece o mercado nacional de artes, pois num leilão público, em que as obras são avaliadas em reais, os compradores têm vantagem. "Quem adquire um quadro por R$ 25 mil está pagando cerca de US$ 10 mil e esse valor em dólar não se modifica", explica. "Este primeiro leilão de 2001 vai dar um amostra do mercado depois dessa mudança na economia, mas o interesse que a exposição despertou desde a semana passada prova que está aquecido", diz.Avaliação de algumas obrasUm dos dois quadros com avaliação mais alta (entre R$ 250 mil e R$ 350 mil), o óleo sobre tela Fazenda Recreio - Bemposta, do ítalo-paulista Georg Grimm, reproduzindo a propriedade da família Guinle no Estado do Rio em 1881, tem este tema, comum a quase um terço das obras oferecidas. O outro quadro com essa avaliação é Pescadores, de Di Cavalcanti, de 1972. De Baptista da Costa, há pelo menos quatro óleos reproduzindo paisagens da zona sul do Rio no fim do século passado (avaliadas entre R$ 30 mil e R$ 100 mil). Mas o Baptista com preço mais alto (entre R$ 180 mil e R$ 220 mil) é a paisagem rural Saudoso Recanto - Piabanha. Há também uma tela de Giovanni Castagneto mostrando o Corcovado em 1888 (avaliado entre R$ 18 mil e R$ 22 mil), uma exceção desse pintor de marinhas. Há pelo menos três delas no leilão e a mais valorizada é Faluas Ancoradas na Ponta do Caju, de 1886, com preço entre R$ 140 e R$ 160 mil. Do século 20, há Praia com Barcos e Trem - Mangaratiba, retrato do balneário em 1955, feito por Pancetti (entre R$ 120 e R$ 160 mil), e o Morro do Querosene - Santa Tereza, de Joaquim Tenreiro (entre R$ 14 mil e R$ 18 mil) e um Porto de Barcos - Niterói, em 1925, de Garcia Bento (entre R$ 15 mil e R$ 20 mil). A paisagem do interior de São Paulo tem como destaques dois óleos sobre tela de Benedito Calixto, Porto de Santos, em 1914 (avaliado entre R$ 40 mil e R$ 60 mil), e A Caminho de Piratininga, em 1905 (entre R$ 40 mil e R$ 50 mil). A relação dos artistas com as respectivas obras e suas características estão disponíveis no site da Bolsa de Arte na Internet (veja link abaixo). As obras estarão expostas até às 22h de hoje na sede da Bolsa de Arte.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.