Leilão de títulos pode pressionar juros

O leilão de papéis prefixados que o Tesouro Nacional realizará hoje pode gerar alguma pressão sobre os juros de operações com vencimentos futuros. Operadores afirmam que não é esperada alta forte. Porém, como ainda persistem fatos preocupantes no cenário econômico e político, é natural que haja algum movimento no sentido de elevar as taxas para que os prêmios no leilão também saiam um pouco maiores do que na semana passada. Há pouco, os contratos de juros de DI a termo - que indicam a taxa prefixada para títulos com período de um ano - pagavam juros de 17,930% ao ano. Ontem papéis com as mesmas características eram cotados a 17,850% ao ano. A Bolsa de Valores (Bovespa) opera em alta de 0,13%Segundo operadores, o cenário externo ainda gera cautela. Alguns números divulgados na semana passada, nos Estados Unidos, revelam que o desaquecimento suave da economia norte-americana ainda não foi atingido. Nessa semana, novos indicadores econômicos serão divulgados. Caso sejam novamente negativos, o mercado pode reagir mal, assim como na semana passada, quando a Nasdaq - bolsa que negocia ações do setor de tecnologia e Internet - caiu 10,54%.No cenário interno, o caso da obra superfaturada do fórum trabalhista de São Paulo perdeu um pouco a força, mas ainda preocupa os investidores. Esse cenário, portanto, não elimina a avaliação de que o rumo do juro no médio prazo é declinante, mas gera cautela.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.