Dado Ruvic/ Reuters
Este será o maior leilão já realizado pela Anatel, podendo movimentar R$ 49,7 bilhões Dado Ruvic/ Reuters

Leilão do 5G: Corrida para o futuro que vale R$ 50 bilhões

Empresas disputam nesta quinta-feira, 4, o serviço que vai dar um salto tecnológico para o País

Circe Bonatelli, O Estado de S.Paulo

04 de novembro de 2021 | 05h00
Atualizado 04 de novembro de 2021 | 12h12

O leilão do 5G começou nesta quinta-feira, 4, e pode terminar somente na sexta, 5. Dentro dos envelopes entregues pelos participantes qualificados pela Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) estará o que se entende como o futuro da atividade no País. Além de o 5G representar um salto na maneira como as pessoas usam a tecnologia no seu dia a dia, com estabelecimento da infraestrutura necessária à implantação da chamada “internet das coisas”, o leilão é visto como uma oportunidade de ampliar a quantidade de competidores nesse mercado. O setor passa por uma concentração desde a venda da Oi Móvel para o grupo de rivais Vivo, TIM e Claro, por R$ 16,5 bilhões, no ano passado.

Existe a expectativa de que provedores regionais – ou até mesmo novas empresas no ramo – se habilitem a prestar serviços de telefonia e dados móveis caso arrematem algumas das faixas que serão ofertadas.

Este será o maior leilão já realizado pela Anatel, podendo movimentar R$ 49,7 bilhões. Desse total, R$ 10,6 bilhões são outorgas pelas faixas e R$ 39,1 bilhões compromissos de investimentos na implementação das redes. As faixas leiloadas – 700 MHz, 2,3 GHz, 3,5 GHz e 26 GHZ – servirão tanto para ativar o 5G, quanto para ampliar o 4G.

Acompanhe o leilão ao vivo:

 

Investimentos

O governo calcula que o 5G vai gerar US$ 1,2 trilhão em investimentos nos próximos 20 anos. A nova tecnologia promete velocidades até 20 vezes superiores às atuais, além de um tempo de resposta (latência) baixíssimo entre os dispositivos conectados. Isso vai permitir o desenvolvimento de novas aplicações, desde carros sem motorista até inovações na indústria, mineração e agricultura, entre outros setores.

“O leilão será crucial para definir o futuro do setor e nos dizer se este mercado terá novos entrantes ou se ficará circunscrito aos mesmos grupos”, afirma o analista sênior da consultoria Omdia, Ari Lopes. “Se os provedores regionais de fato adquirem frequência, podemos ver uma desconcentração.”

Em tese, há espaço para isso. A faixa de 3,5 Ghz – a mais visada para o 5G – oferecerá quatro lotes nacionais no leilão. Isso porque o certame foi desenhado numa época em que as quatro grandes teles atuavam no ramo. Mas, com a saída da Oi do setor móvel, sobrará um lote nacional à disposição de quem quiser se aventurar nesse mercado.

Por outro lado, há um desafio grande para novos entrantes. “Esse é um mercado altamente dominado. Para competir será necessário tirar cliente dos concorrentes, o que não é simples”, diz o consultor e ex-presidente da Anatel, Juarez Quadros do Nascimento.

“Um novo entrante vai ter que tomar cliente dos outros para se viabilizar financeiramente. E o edital é rigoroso em exigir que se comprove a instalação da infraestrutura”, afirma Quadros, referindo-se ao risco elevado de se investir sem ter um retorno à altura.

Operadoras regionais

Vivo, TIM e Claro são nomes certos na disputa. Já a Oi não participará. Aliás, seu contrato de venda da rede móvel a impede de disputar o leilão. A subsidiária V.tal, voltada para construção de redes de fibra, também deve ficar de fora, como apurou o Estadão/Broadcast.

Operadoras regionais como Algar Telecom, Brisanet e o fundo Bordeaux (dono de Sercomtel) já confirmaram que vão disputar. O mesmo vale para a Iniciativa 5G, grupo que reúne 421 provedores regionais que constituíram uma empresa para representá-los no certame.

Outro nome certo é a Highline do Brasil, uma empresa de construção e operação de torres e antenas de telecomunicações. Frustrada na tentativa comprar a Oi Móvel, a companhia volta suas baterias para o 5G, mas não com o objetivo de atender o consumidor final e sim para construir uma rede neutra que possa ser “alugada” a provedores regionais, com os quais já vem alinhavando parcerias.

A companhia também busca fechar contratos com provedores regionais de grande porte que decidam arrematar as radiofrequências por conta própria no leilão, mas queiram contar com um parceiro para assumir os pesados compromissos de instalação de infraestrutura previstos no edital da Anatel. Ponta de lança da norte-americana Digital Bridge, plataforma de investimentos especializada em infraestrutura de telecomunicações, com US$ 30 bilhões em ativos sob gestão no mundo, a Highline já tem mais de 5 mil torres em operação no País, o que a coloca entre as grandes. Dessas, quase 900 foram adquiridas da Oi, em leilão que movimentou R$ 1 bilhão.

Fundos

Nos últimos meses, também foi ventilada a possibilidade de fundos de investimento entrarem no leilão com um modelo de negócios semelhante ao da Highline. É o caso do BTG Pactual – que declinou, segundo apurou a reportagem – e do Pátria – que respondeu que não comenta “rumores de mercado”. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Análise: O maior leilão da história das comunicações do País

Advento do 5G servirá para diminuir o gap socioeconômico existente entre os mundos desenvolvidos e marginalizados

Juarez Quadros do Nascimento*, O Estado de S.Paulo

04 de novembro de 2021 | 05h00

Tendo como objeto o 5G, realiza-se o maior leilão da história das comunicações no País. Agora, as propostas dos 15 interessados serão abertas para análise e julgamento. O leilão autorizará o uso de 3.710 MHz nas faixas de 700 MHz; 2,3 GHz; 3,5 GHz e 26 GHz, ao custo de R$ 49,7 bilhões, dos quais R$ 33,7 bilhões serão destinados não ao Tesouro, mas à cobertura de compromissos socioeconômicos.

Dispõe investimentos em áreas não atendidas (localidades e rodovias federais). Nos municípios com mais de 30 mil habitantes, prevê compromissos de atendimento com tecnologia 5G em determinados prazos. Nas capitais estaduais e Distrito Federal, a oferta poderá acontecer antes de 31 de julho de 2022. Obriga conectar escolas públicas de educação básica, ressarcir custos para migração da TV aberta e gratuita com antenas parabólicas na banda C satelital para a banda Ku e, ainda, implantar o Programa Amazônia Integrada e Sustentável e o Projeto Rede Privativa de Comunicação da Administração Pública Federal.

O leilão atrai novos entrantes no mercado e gera oportunidades para provedores regionais e grandes operadores. O investimento, se forem vendidos todos os lotes, sinaliza um dispêndio de R$ 163 bilhões pela iniciativa privada. Habilitará novas aplicações, da saúde à educação, da indústria ao agronegócio, a possibilitar um País mais conectado.

Os obstáculos relativos aos detalhes diretivos de condicionamentos político-técnico-comerciais do leilão foram corrigidos junto aos órgãos responsáveis por políticas públicas e de controle, de modo a minimizar barreiras, incluindo um potencial embate geopolítico que envolvia nacionalidade de fornecedores. Merecem atenção derivadas do ecossistema 5G e que dependem das municipalidades, quanto às antenas necessárias. As inovações ocorrerão no tempo necessário para soluções que atendam pessoas, empresas e governos com maior velocidade na transmissão de dados, densidade de conexões e menor tempo de resposta na comunicação.

O advento do 5G servirá para diminuir o gap socioeconômico existente entre os mundos desenvolvidos e marginalizados. Quem sabe sua implementação não trará novas perspectivas e realidades neste mundo desigual, a rejeitar a cruel e desumana necessidade da travessia metafórica do “Rio Grande ou do Mar Mediterrâneo”, na busca de tempos melhores num planeta mais civilizado! 

* ENGENHEIRO ELETRICISTA, EX-MINISTRO DAS COMUNICAÇÕES E EX-PRESIDENTE DA ANATEL

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.