seu bolso

E-Investidor: O passo a passo para montar uma reserva de emergência

Leilões revelam valor histórico de PCs antigos

Primeiro computador produzido pela Apple será leiloado hoje com lance mínimo de US$ 116 mil

STEVE LOHR , THE NEW YORK TIMES, O Estado de S.Paulo

25 de maio de 2013 | 02h08

Há mais de uma década, numa feira de computadores antigos no Vale do Silício, Dag Spicer teve a oportunidade de comprar um Apple-1 original - o primeiro computador produzido pela empresa - por US$ 2 mil. Ele não aproveitou. Arrependido? Nem tanto, afirmou. "Claro que hoje poderia resgatar a minha hipoteca com o que ele está valendo", acrescentou.

Talvez. Em novembro passado um Apple-1 foi vendido por US$ 640 mil num leilão na Alemanha. A venda superou o recorde anterior de US$ 374,5 mil alcançado em outro leilão realizado cinco meses antes na Sotheby's em Nova York.

Esse valor astronômico das máquinas originais Apple-1, fabricadas em 1976 e que na época custavam US$ 666,66 (o equivalente a US$ 2.700 atuais), é uma história que envolve a teoria econômica da escassez e do fetichismo tecnológico, ampliada pela mística que envolve a Apple e seus fundadores.

O próximo teste do Apple-1 ocorre hoje, na mesma casa de leilões em Colônia, Alemanha, onde se registrou a venda recorde em novembro.

Mesmo o leiloeiro, Uwe Breker, ficou surpreso com o preço alcançado. O lance mínimo do leilão de hoje é de US$ 116 mil e Breker estima que o valor da compra deve ficar na faixa de US$ 260 mil a US$ 400 mil. "Mas veremos", afirmou.

O mercado de leilões de máquinas vintage é pequeno e incerto. Por exemplo, um Apple-1 que não funcionava não alcançou nem o preço mínimo de US$ 75 mil num leilão no ano passado em Londres. Os leilões que atingiram preços recorde no ano passado eram de máquinas originais em perfeito funcionamento, como o Apple-1 a ser leiloado hoje.

Os preços altíssimos são um caso de exuberância irracional. Mas para estudiosos dedicados à história da tecnologia trata-se de uma tentação racional ter a posse de um Apple-1. "É a história da criação da Apple, o artefato físico que registra este sucesso incrível desde a sua origem", diz Dag Spicer, curador do Museu da História do Computador, na Califórnia.

Segundo ele, o Apple-1 foi fundamental para a transição dos computadores pessoais que, de hobby, se transformaram num enorme sucesso comercial. Havia outros na época também, mas a Apple provou ser uma fabricante de computadores duradoura. Stephen G. Wozniak era o engenheiro de hardware e Steven P. Jobs, morto em 2011, era o visionário comercial.

O Apple-1 é uma máquina rara. Cerca de 175 a 200 foram produzidos na garagem da família Jobs. Mike Wilegal, que mantém um registro online do Apple-1, diz que existem 46 deles. Segundo Mike, há uma nostalgia técnica no caso desta máquina, quando a computação era mais simples. A placa mãe de e um conjuntos de chips era tudo o que o computador oferecia. Os usuários tinham de providenciar os teclados, monitores e fonte de energia.

O Apple-1 lançou a reputação dos computadores Apple, mas foi o Apple II, lançado um ano depois, em 1977, a ser vendido aos milhões e consolidou os negócios da empresa. Quando o Apple II começou a ser vendido, a empresa oferecia a máquina em troca do Apple-1. É o que diz Bob Luther, que está escrevendo um livro sobre computadores antigos.

Em sua pesquisa. Luther telefonou para Michael Scott, presidente da Apple de 1977 a 1981. Scott disse-lhe: "Se tivéssemos feito um trabalho melhor, você e eu não estaríamos tendo esta conversa pelo telefone". / TRADUÇÃO DE TEREZINHA MARTINO

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.