Divulgação/Cottonelle
Divulgação/Cottonelle

Lenços umedecidos de papel travam rede de esgoto nos EUA

Setor que fatura US$ 6 bilhões por ano está no centro do debate sobre o entupimento dos sistemas de saneamento

Thiago Mattos, do Estadão,

27 de setembro de 2013 | 15h40

SÃO PAULO - Lenços umedecidos estão dando o que falar nos Estados Unidos. Cada vez mais populares, os lencinhos estão provocando entupimentos nos esgotos em várias partes do país e custando milhões de dólares a alguns municípios, que precisam enviar equipes para desentupir canos e bombas de esgoto e substituir e melhorar o mecanismo.

 

Em uma cidade de Nova York, o problema ficou tão sério durante o último verão que autoridades locais chegaram a montar armadilhas em tubos de esgoto para descobrir de onde os lenços vinham.

O passo seguinte foi enviar cartas ou até pediram pessoalmente para que alguns moradores parassem de jogar os lenços umedecidos na privada.

 

Reclamações. Uma associação que representa 300 agências de tratamento de esgoto disse à Associated Press que há quatro anos enfrenta reclamações sobre o  produto, período que coincide com a crescente venda dos lenços de limpeza descartáveis.

O produto é oferecido aos consumidores como 'uma refrescante alternativa aos secos papéis higiênicos na hora da higiene pessoal'.

 

Especialistas estimam a indústria dos lenços umedecidos destartáveis como um negócio de US$ 6 bilhões ao ano, com vendas aumentando cerca de 5% ao ano desde 2007.

A previsão é de crescimento a uma taxa de 6% anuais pelos próximos cinco anos.

 

Uma das marcas mais populares, a Cotonnelle, tem uma campanha chamada "Vamos falar do seu bumbum". Um comercial mostra pessoas tentando lavar seus cabelos sem usar a água.

O slogan vem ao final: "Você não pode limpar seu cabelo sem água, então por que limpar seu bumbum desse jeito?"

 

Os fabricantes insistem que o problema não são os lenços que podem ir descarga abaixo e apontam como responsáveis os lenços para bebê e outras toalhinhas de limpeza vendidos como produtos que não podem ir para a descarga.

 

As autoridades concordam que os lenços - muitos feitos de plástico - não são os únicos culpados, mas admitem que os problemas aumentaram com a chegada do produto ao mercado.

Prejuízo. De acordo com  a notícia da Associated Press, agentes sanitários da cidade de Vancouver, em Washington, dizem que os lenços vendidos como descartáveis são grande parte do problema que levou o município a gastar mais de US$ 1 milhão nos últimos cinco anos substituindo três grandes bombas de esgoto e oito bombas menores que frequentemente entupiam.

Para provar os danos causados pelos lenços, eles foram pintados e lançados através do esgoto por mais de um quilômetro para ver como o produto se despedaçaria, mas isso não aconteceu, pois os lenços continuaram inteiros.

 

Uma comissão sanitária em Washington, que também serve a algumas partes do estado de Maryland, também gastou mais de US$ 1 milhão nos últimos cinco anos instalando moedores pesados para enfrentar o problema.

Em Orange County, na Califórnia, em um único ano foram registradas 971 chamadas para manutenção em dez estações de bombas de água a um custo de US$ 320 mil.

Tudo o que sabemos sobre:
saneamento

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.