Lenicov diz que estuda reforma tributária

O ministro da Economia, Jorge Remes Lenicov, declarou que o governo está estudando a implementação de uma reforma tributária, um velho pedido do Fundo Monetário Internacional (FMI).Segundo Remes Lenicov, uma reforma desta magnitude levaria vários meses, já que não pretende fazer ?remendos? no atual sistema tributário argentino. O ministro fez estas declarações nesta quinta-feira à tarde, pouco depois de desembarcar na capital argentina, proveniente de Washington, onde esteve reunido com integrantes do FMI e do Departamento do Tesouro dos EUA.Remes Lenicov defendeu a flutuação do peso, a moeda nacional, em relação ao dólar. O ministro disse que esse sistema é muito melhor do que a realização de uma eventual dolarização da economia: ?Uma dolarização poderia até assegurar seis meses de certezas. Mas, a médio prazo, a livre flutuação da moeda é mais potente?.Segundo ele, a flutuação ?é uma grande aposta?. Diversos setores, especialmente vinculados ao ex?presidente Carlos Menem (1989-99) - um persistente rival do presidente Eduardo Duhalde - criticaram intensamente a livre flutuação.Nesta quinta-feira, Menem sustentou que a atual política cambial é um caminho para a hiperinflação. Mas, segundo Remes Lenicov, o atual governo manterá ?uma política monetária tão estrita que impedirá a hiperinflação?. Desta forma, afirma, ?no segundo semestre do ano começaremos a sair da crise?.Comentando sua viagem à Washington para pedir ajuda financeira, o ministro lamentou as dificuldades que encontra quando precisa explicar o comportamento da Argentina no século XX: ?Ninguém entende como um país como este vive dizendo que tem problemas e nunca os resolve. Nosso objetivo é fazer um país normal??.Remes Lenicov também falou sobre seu ?grande sonho?, que é eliminar o ?corralito?, como é denominado o semicongelamento de depósitos bancários. Segundo o ministro, um dos grandes problemas da economia argentina é o ?corralito?.Leia o especial

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.