Lenta melhora nos resultados dos serviços

Essa sequência de resultados mensais positivos, bem como o bom resultado do segundo trimestre, sugerem uma recuperação firme das atividades

O Estado de S.Paulo

17 de agosto de 2017 | 03h00

Depois de nove trimestres seguidos de resultados negativos, o volume de serviços prestados no segundo trimestre deste ano cresceu 0,3% em comparação com o dos três meses anteriores. É a consequência do aumento contínuo observado em abril (de 1,1% em relação ao mês anterior), maio (de 0,5%) e junho (de 1,3%), segundo a Pesquisa Mensal de Serviços (PMS) do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Essa sequência de resultados mensais positivos, bem como o bom resultado do segundo trimestre, sugerem uma recuperação firme das atividades do setor de serviços, que refletem o desempenho de outros setores da economia, como a agropecuária e a indústria. Mas analistas do setor privado e técnicos do IBGE avaliam esses dados com cautela.

Os resultados apontam para reação ainda restrita a alguns segmentos, como aqueles diretamente beneficiados pela safra agrícola excepcionalmente boa e os dependentes da renda da população. Assim, o aumento observado no segundo trimestre se deveu aos avanços nos serviços profissionais, administrativos e complementares (1,4%) e nos transportes, serviços auxiliares dos transportes e correio (0,7%). Em outros, houve recuo.

Além disso, na comparação com os resultados do ano passado, o desempenho continua negativo. Na comparação com o segundo trimestre de 2016, por exemplo, o volume registrado de abril a junho deste ano foi 3,6% menor. Se há um aspecto positivo nesse número é o fato de ele representar a queda menos acentuada desde o terceiro trimestre de 2015.

Por causa dessas limitações, o analista do IBGE Roberto Saldanha não vê nos números mais recentes uma indicação firme de que o setor está iniciando uma trajetória de recuperação. A comparação entre os resultados de 2016 e de 2017 continua negativa por praticamente todos os indicadores; da mesma forma, os dados acumulados de 12 meses continuam a registrar encolhimento dos serviços.

É possível, porém, que o pior já tenha passado, embora Saldanha insista que não há evidências para apostar na recuperação. De fato, a retomada firme está condicionada à ampliação dos sinais positivos que se observam na atividade industrial, no setor agrícola e no comércio. A demanda de serviços pelo setor público, de grande peso nos resultados totais, continua limitada pela grave crise fiscal.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.