Lesionados, demitidos ficam sem plano de saúde

Funcionário dispensadodiz que a alegação foiredução de quadro, mas segundo ele há muitos navios para construir

RECIFE, O Estado de S.Paulo

15 Fevereiro 2015 | 02h05

Grande parte dos demitidos pelo estaleiro não estão bem fisicamente. Adquiriram lesões e problemas devido ao trabalho e foram desligados sem assistência médica, de acordo com o sindicato. Demitido em janeiro, o soldador José Pinheiro, de 28 anos, casado e com um filho, começou a trabalhar no Estaleiro Atlântico Sul em outubro de 2008, quando o empreendimento ainda estava em construção.

"Foi uma surpresa, não consigo compreender", afirmou. "A alegação foi redução de quadro, mas há muitos navios a serem construídos. Junto comigo foram mais uns 40."

Com uma cirurgia de hérnia umbilical já marcada, ele tenta, no sindicato, uma reintegração. "Eu não podia ter sido demitido", disse. Sem o emprego, ele perdeu o plano de saúde que era extensivo à família.

Agora desempregado e com a cirurgia por fazer, ele não prevê um bom cenário. Pinheiro ganhava R$ 2.240 mensais e pagava financiamento da casa própria. "Já estava difícil com o emprego", disse.

Douglas de Oliveira, 37 anos, trabalhou um ano e 11 meses no estaleiro. "Fui demitido em novembro do ano passado e agora estou desempregado e lesionado", afirmou, ao se queixar de ter contraído uma luxação no ombro com indicação para cirurgia. "Ali todo mundo pega muito peso", disse ele, Tinha um salário de R$ 2.076. / A.L.

Mais conteúdo sobre:
O Estado de S. Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.