Lessa critica política industrial de FHC e o compara a Collor

O presidente do banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), Carlos Lessa, disse que o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso quase conseguiu acabar com 50 anos de desenvolvimento industrial brasileiro e o comparou a Fernando Collor por "acabar com o futuro".Lembrando que Collor disse que os carros no Brasil pareciam carroças e que o País tinha orgulho de sua indústria automobilística, Lessa afirmou que "Collor nos conduz a um País onde todo o esforço industrial foi para construir carroça, não para produzir futuro". Já "o segundo Fernando (Henrique Cardoso)" prometeu em seu discurso de posse acabar com a Era Vargas. "Acabar com a Era Vargas é acabar com 50 anos de desenvolvimento industrial brasileiro. Quase teve êxito", disse Lessa, arrancando risos dos participantes do seminário sobre Arranjos Produtivos Locais no auditório da instituição. "Caímos de oitava para a décima terceira economia mundial, em uma corrida para trás, com taxas de crescimento rastejantes de 2,3% e 2,2%", afirmou. Lessa chamou a década de 90 de "Fernandécada" e disse ter se indagado se era uma "predestinação bíblica". Ele comparou a sucessão de Fernandos à praga dos gafanhotos, uma das que, segundo a Bíblia, libertaram os hebreus da escravidão no Egito. "Até na Argentina começou a aparecer Fernando", disse, referindo-se ao ex-presidente argentino De La Rúa.Ele defendeu que a Receita Federal mantenha-se afastada de sacoleiras e de pequenos e médios empresários e que faça um acordo com a Prefeitura de Miami, nos Estados Unidos, para investigar brasileiros que tem apartamento lá. "Qualquer ladrão bem sucedido aqui, a primeira coisa que faz é comprar apartamento em Miami. Há uma correlação entre ladrão e apartamento em Miami". Em outro momento de seu discurso no seminário sobre arranjos produtivos locais, que está se realizando na instituição, Lessa falou do ex-presidente Fernando Collor como "um típico dono de apartamento em Miami, aliás, ele tem um".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.