Lessa defende criação de fundo para a indústria naval

O presidente do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), Carlos Lessa, defendeu hoje a formação de um fundo para financiar a construção naval. A idéia, segundo ele, é que o produto seja formado pelo próprio banco, em parceria com investidores institucionais, e com o fundo de marinha mercante. O modelo seguiria o que hoje é adotado para financiar a indústria aeronáutica e eliminaria o problema da falta de garantias dos estaleiros na hora de tomar os recursos para construção dos navios. Lessa explicou ainda que este modelo permitiria a construção imediata de 12 navios, para a cabotagem, e resultaria em uma movimentação de US$ 500 milhões a US$ 600 milhões por ano, num período de cinco anos, o que reduziria o déficit do setor - hoje em US$ 6 bilhões ao ano. "O que nós queremos é separar o proprietário dessas embarcações do operador delas. Dessa maneira, o fundo seria o proprietário e alugaria, em sistema de leasing, esses navios", afirmou. "Como eles são operados em dólar, haveria um hedge natural, que afasta o risco cambial da operação." Lessa participou do seminário "A Indústria Naval como Alavanca para o Desenvolvimento", promovido pela Câmara Americana.

Agencia Estado,

22 Março 2004 | 11h13

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.