Levy confirma ?pacote? de estímulo à economia em 45 dias

O secretário do Tesouro, Joaquim Levy, confirmou que em cerca de 45 dias o governo terá apresentado uma série de medidas para estimular a economia. "Eu não gosto da expressão pacote. Isso era um pouco do tempo antigo. Eu diria que medidas importantes, de clarificação, estão a caminho sim, porque são importantes", disse Levy, ao entrar no Ministério da Fazenda para um encontro com a missão do Fundo Monetário Internacional (FMI). "Veja só, acho que a gente tem trabalhado sim e 45 dias é mais ou menos a perspectiva de estar com o PPA (Plano Plurianual), estar com o orçamento. Então certamente já vai haver uma visão mais clara do que é, em parte, entre aspas, pacote." Levy reconheceu que a economia está desaquecida, mas lembrou que, sem o arrocho provocado pelo governo no combate à inflação, a queda na renda real poderia ser muito maior. Levy reconhece que a renda real está caindo, mas lembra que, se a inflação fosse mais alta, ela cairia muito mais. "Foi, aliás, o que aconteceu quando a gente teve um choque também forte há 20 anos. Em 1983, a renda real da indústria em São Paulo caiu 12% porque a inflação acelerou." Agora, diz Levy, "a gente tem de trabalhar para esse crescimento vir rápido. Isso não quer dizer, prioritariamente, o governo gastar, nada disso. Este é o momento para as pessoas e empresas decidirem investir".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.