Levy descarta aumento do superávit primário neste momento

O secretário do Tesouro Nacional, Joaquim Levy, destacou hoje o bom desempenho recente da economia, ressaltando que alguns indicadores têm vindo melhores do que as expectativas. Contudo, descartou que, diante deste cenário, o Governo esteja planejando mudar a meta de superávit primário - arrecadação menos despesas, exceto o pagamento de juros.Ele citou especificamente o resultado da produção industrial, que teve crescimento em junho de 6,3% ante junho de 2004, e o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) de julho, divulgado hoje que teve variação positiva de 0,25%.Levy destacou ainda o desempenho das estatais e também dos estados e municípios, que vêm recebendo transferências "bastantes robustas", o que favorece o desempenho. Apesar desse desempenho, o secretário alertou que o resultado dos últimos seis meses foi influenciado pelo desempenho de dezembro de 2004, que ficou acima do número médio por ter sido "mais robusto". Diante deste cenário, ao ser indagado se o Tesouro estaria trabalhando com uma meta informal de 5,1% para o superávit primário, ao invés da meta oficial de 4,25%, Levy disse que uma economia que vai bem, em geral, favorece um bom resultado fiscal. Diante da insistência dos jornalistas sobre a possibilidade aumento da meta de superávit primário, Levy respondeu: "O Tesouro trabalha com 4,25% por enquanto".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.