Levy reafirma meta de superávit de 4,25% do PIB em 2005

O secretário-executivo do Ministério da Fazenda, Bernard Appy, e o secretário do Tesouro Nacional, Joaquim Levy, reafirmaram hoje a meta de superávit primário - arrecadação menos despesas, exceto o pagamento de juros - de 4,25% do Produto Interno Bruto (PIB) para este ano.Os dois, porém, observaram que esse número é o considerado correto pela equipe econômica no momento atual. "O importante é o nosso compromisso com a queda da relação dívida/PIB e não tanto um número específico do superávit primário", disse Appy.Levy, ao saber que o economista Andrean Dean, da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), sugeriu que um superávit primário de 5% do PIB seria mais confortável para o Brasil, disse que esta é uma "observação interessante". "Hoje acho que o número certo é 4,25% do PIB", disse Levy. "É isso que os números apontam como adequados", enfatizou.Levy lembrou que o PIB no ano passado cresceu 5,2% e que foram gerados 1,5 milhão de empregos formais em 2004. Levy e Appy participaram do seminário sobre estudo da OCDE sobre o Brasil divulgado hoje.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.