Dida Sampaio/Estadão
Dida Sampaio/Estadão

Renda extra

Fabrizio Gueratto: 8 maneiras de ganhar até R$ 4 mil por mês

Imagem Adriana Fernandes
Colunista
Adriana Fernandes
Conteúdo Exclusivo para Assinante

Levy resiste a mudanças no corte de recursos do PSI do BNDES

Presidente da Anfavea disse ontem, com autorização de Jaques Wagner, que o governo iria rever o corte de R$ 30,5 bilhões na linha de crédito para máquinas e equipamentos

Adriana Fernandes, O Estado de S. Paulo

10 de novembro de 2015 | 12h20

BRASÍLIA - Mesmo com pressões de fora e dentro do governo, o ministro da Fazenda, Joaquim Levy, resiste à ideia de rever o corte de R$ 30,5 bilhões que o Conselho Monetário Nacional (CMN) havia determinado no mês passado para o limite das operações do Programa de Sustentação do Investimento (PSI), administrado pelo BNDES. 

"Não há qualquer indicação de que vai mudar o valor", disse um assessor de Levy. Causou grande mal-estar no Ministério da Fazenda a movimentação do presidente da Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea), Luiz Moan, de se antecipar ao governo e anunciar como fato consumado a reabertura do prazo para o protocolo de pedidos de novos financiamentos do PSI. 

Moan informou ao Broadcast, serviço de informações em tempo real da Agência Estado, que havia recebido do ministro da Casa Civil, Jaques Wagner, carta branca para anunciar a mudança, decidida pela presidente Dilma Rousseff. O prazo havia terminado no dia 30 de outubro por resolução do CMN. Para a reversão da decisão, o colegiado formado pelos ministros Levy, Nelson Barbosa (Planejamento) e Alexandre Tombini (Banco Central)terá de baixar nova resolução.

Segundo apurou o Broadcast, o ministro resiste à mudança e o impasse em torno do PSI alimenta a insatisfação dentro do governo em relação a ele. Há uma pressão da ala política do governo para que a equipe econômica tome medidas voltadas ao crédito e à recuperação da atividade econômica. Ontem, fontes informaram que a redução do corte é necessária para acomodar os novos pedidos.

O Ministério da Fazenda, no entanto, avalia que o BNDES não precisa de mais recursos e que a redução do corte do PSI já estava acertada e encaminhada dentro do governo.

Tudo o que sabemos sobre:
economiaJoaquim LevyBNDESPSIAnfavea

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.