Renda extra

Fabrizio Gueratto: 8 maneiras de ganhar até R$ 4 mil por mês

Liberação de trigo argentino continuará a conta-gotas

O governo da presidente Cristina Kirchner, da Argentina continuará liberando a conta-gotas as exportações de trigo, cujo maior comprador é o mercado brasileiro. A Cristina somente liberará no segundo semestre deste ano um total de 1,402 milhão de toneladas de trigo para exportação. Desta forma, os problemas do Brasil para abastecer-se normalmente de trigo da Argentina - seu principal sócio do Mercosul e o maior tradicional fornecedor desse produto ao mercado brasileiro - prometem continuar ao longo de 2008.O Secretário de Indústria e Comércio da Argentina, Fernando Fraguío, anunciou que o governo autorizará no segundo semestre deste ano a exportação de mais 500 mil toneladas de trigo. Este meio milhão de toneladas, no entanto, não tem destino exclusivo ao Brasil, podendo ser adquirido por importadores de outros países. Essas 500 mil toneladas somam-se a outras 902 mil autorizadas na semana passada (total de 1,402 milhão de toneladas). "Não podemos obrigar que sejam só vendidas para o Brasil", indicou Ivan Ramalho, secretário-executivo do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior do Brasil. Sentado ao lado de Fraguío, durante um encontro com a imprensa em Buenos Aires, Ramalho ressaltou que ainda é preciso saber qual será o tamanho da safra de trigo brasileira, já que ela poderia eventualmente compensar parte da ausência do cereal argentino. No entanto, Ramalho admitiu: "Não posso afirmar que não haverá mais problemas com o abastecimento".

ARIEL PALACIOS, Agencia Estado

05 de agosto de 2008 | 16h03

Tudo o que sabemos sobre:
Argentinatrigo

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

  • O Pix é seguro? Veja dicas de especialistas sobre o sistema de pagamentos
  • 13º salário: quem tem direito, datas e como a pandemia pode afetar o cálculo
  • Renda básica: o que é, quais os objetivos e efeitos e onde é aplicada

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.