Líbia pede que empresas brasileiras invistam no país

O vice-primeiro-ministro da Líbia, Abdulsalam Al-Mahdi Al-Qadi, pediu nesta quinta-feira ao ministro das Relações Exteriores do Brasil, Antônio Patriota, que as empresas brasileiras voltem a trabalhar naquele país. Al-Qadi disse que o novo governo líbio tem interesse não apenas na volta das companhias brasileiras que atuavam no país, mas que outras também decidam investir.

LISANDRA PARAGUASSU, Agencia Estado

17 de abril de 2013 | 19h05

Durante a revolução líbia, empresas brasileiras como a Petrobras, Odebrecht e Queiroz Galvão, que trabalhavam no país, retiraram os funcionários brasileiros e suspenderam obras, deixando apenas escritórios de representação com funcionários líbios. Nenhuma delas voltou a atuar lá ainda. No entanto, Patriota disse ao vice-primeiro-ministro que as empresas já demonstraram interesse em voltar ao país. Uma missão empresarial brasileira deverá ser organizada para visitar a Líbia até o fim do ano.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.