Licenciamento ambiental é dilema para chineses

Empresários não entendem a dificuldade para a liberação de novas hidrelétricas na região amazônica

André Borges, O Estado de S.Paulo

13 Dezembro 2015 | 03h00

BRASÍLIA  - Se o processo de licenciamento ambiental de obras de infraestrutura no Brasil já é alvo de críticas do empresário brasileiro, tente explicar essas exigências do setor elétrico para um empreendedor chinês. Aos olhos dos asiáticos, torna-se algo incompreensível.

Numa recente conversa realizada em Brasília entre empresários chineses e representantes do governo brasileiro, os chineses simplesmente não conseguiam entender as dificuldades de se liberar novas hidrelétricas na Amazônia. Basicamente, queriam apenas saber “qual é o preço” para autorizar o leilão da obra.

Compreende-se. Na semana passada, pela primeira vez na história, a cidade de Pequim emitiu um alerta vermelho por conta da poluição que toma conta da capital.

O mais grave alerta na escala levou à proibição de circulação de metade dos veículos, restrição da atividade de fábricas e obras a céu aberto, além da recomendação para que as escolas não funcionem. O governo recomendou ainda que as pessoas utilizem máscaras ou outras medidas de proteção.

Os grandes vilões das emissões de partículas no ar são, principalmente, as usinas de energia a carvão, a queima de combustível pelos veículos e as atividades das indústrias e da construção civil. Foram encontradas 206 microgramas de partículas por metro cúbico no ar, enquanto a Organização Mundial da Saúde (OMS) considera aceitável, no máximo, a presença de 25 microgramas por metro cúbico.

Na marra. “Eles estão aprendendo na marra. Para eles, nossa legislação não faz sentido”, disse ao Estado um executivo brasileiro que atua junto a empresas chinesas em um dos maiores projetos de linha de transmissão do País, em plena Amazônia.

Dificuldades à parte, a investida chinesa sobre os projetos e ativos do setor elétrico brasileiro segue inalterada. No mês passado, a gigante China Three Gorges, que opera a maior hidrelétrica do mundo, venceu a licitação das usinas de Ilha Solteira e Jupiá, que pertenciam à Cesp, e se tornou a oitava maior geradora do País.

No radar da Three Gorges está o prometido leilão da usina de São Luiz do Tapajós, um projeto de R$ 30 bilhões que o governo quer leiloar em 2016. Nos planos oficiais do governo, São Luiz seria o último grande empreendimento de geração hidrelétrica previsto para a Amazônia.

Na área de transmissão, a chinesa State Grid tem dado as cartas. Já venceu os dois leilões das linhas de transmissão que vão escoar a energia de Belo Monte e atua ainda na linha da hidrelétrica de Teles Pires, na qual enfrentou sérias dificuldades de licenciamento ambiental.

Para o futuro, a empresa já sinalizou interesse em ativos de distribuição que serão colocados à venda pela Eletrobrás, além de projetos de energia solar. /

A.B.

Mais conteúdo sobre:
IbamaEnergia

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.