Líder coreano pede a ministros que cheguem a acordo

Diante do ceticismo em relação à possibilidade de o G-20 chegar a um consenso sobre os desequilíbrios cambiais, o presidente da Coreia do Sul, Lee Myung-bak, pediu ontem aos ministros reunidos na cidade histórica de Gyeongju que superem suas diferenças e cheguem a acordos que permitam uma bem-sucedida cúpula de líderes do grupo, em novembro. "Se vocês não chegarem a um entendimento, nós não vamos operar ônibus, trens ou aviões quando vocês forem voltar para casa", disse o presidente, em tom de brincadeira no discurso de abertura da reunião.

, O Estado de S.Paulo

23 de outubro de 2010 | 00h00

As divisões internas não apenas reduzem as chances de um acordo, mas levam a questionamentos sobre a própria relevância do G-20, grupo que surgiu em reação à crise financeira global de 2008 e conseguiu coordenar ações de nações desenvolvidas e emergentes em 2009.

A cúpula de Seul, marcada para 11 e 12 de novembro, será a quinta do grupo e ocorre em um momento de agravamento das tensões econômicas mundiais por causa das disputas cambiais.

O presidente sul-coreano exortou os países a colocarem em prática acordos já alcançados pelo G-20 em encontros anteriores, como o que prevê a transferência de cotas no Fundo Monetário Internacional (FMI) de nações desenvolvidas para as emergentes, o que ampliará o poder de voto das últimas.

A decisão foi adotada em setembro do ano passado na cúpula de Pittsburgh, nos EUA, e tem de ser implantada até novembro. O acordo prevê que 5% dos direitos de votos dos países com representação superior ao tamanho de suas economias sejam transferidos às nações sub-representadas no organismo.

Mercado de câmbio. A indefinição sobre o resultado da reunião do G-20 também repercutiu no câmbio. Os principais mercados de moedas ficaram praticamente paralisados à espera de uma definição nas negociações entre as 20 principais economias do mundo.

No Brasil, a Bolsa de Valores de São Paulo fechou em queda de 0,18%, aos 69.529 pontos, com a cautela predominando nos negócios, em meio à expectativa dos resultados da reunião do G-20.

O dólar fechou acima de R$ 1,70, maior nível desde 28 de setembro, influenciado também pela entrevista do secretário do Tesouro, Arno Augustin, à Agência Estado, adiantando que o governo pode adotar outras medidas no câmbio.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.