REUTERS/Jonathan Ernst
REUTERS/Jonathan Ernst

Liderança republicana pede que Trump volte atrás

Presidente dos EUA, porém, diz que não vai recuar e lança nova ameaça; agora, diz que pode acabar com o Nafta

Cláudia Trevisan, correspondente, O Estado de S.Paulo

05 de março de 2018 | 22h09

WASHINGTON - Principal liderança do Partido Republicano no Congresso dos EUA, o presidente da Câmara dos Deputados, Paul Ryan, pediu nesta segunda-feira, 5, que o presidente Donald Trump abandone sua decisão de impor tarifas unilaterais sobre a importação de aço e alumínio pelo país. Sua posição encontrou eco em grande parte da bancada governista, que teme o impacto negativo de potenciais retaliações sobre as eleições legislativas de novembro.

“Nós estamos extremamente preocupados com as consequências de uma guerra comercial e urgimos a Casa Branca a não avançar com esse plano”, declarou o porta-voz de Ryan em nota divulgada na manhã desta segunda-feira. “A nova lei de reforma tributária estimulou a economia e nós certamente não queremos colocar esses ganhos em perigo”, ressaltou, fazendo referência ao corte de US$ 1,5 trilhão em impostos aprovado em dezembro. 

Trump rejeitou o apelo em rápida conversa com jornalistas durante encontro com o primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu. “Não, nós não vamos recuar”, afirmou. Em seguida, o presidente vinculou a possibilidade de exclusão do Canadá e do México da medida ao resultado da renegociação do Nafta (acordo de livre circulação de mercadorias e serviços entre EUA, Canadá e México).

++ Para republicanos, tarifa sobre aço é como novo imposto

“Se nós chegarmos a um acordo que seja justo para os trabalhadores e o povo americano, isso seria, eu imagino, um dos pontos que nós negociaríamos. E se nós não chegarmos a um acordo, eu vou acabar com o Nafta.”

A Casa Branca deve divulgar nos próximos dias os detalhes das tarifas. Na semana passada, Trump anunciou apenas as alíquotas que serão aplicadas: 25% para o aço e 10% para o alumínio. 

Segundo maior exportador de aço para os EUA, o Brasil pede sua exclusão da barreira sob o argumento de que suas exportações são complementares à indústria americana. Cerca de 80% dos embarques brasileiros são formados por produtos semi acabados, que são finalizados em siderúrgicas dos EUA.

++ Taxação de aço importado foi rejeitada por demais setores da economia

Por enquanto, Trump não deu indícios de que esteja disposto a abrir exceções. “Nosso país, no comércio, foi dilacerado por virtualmente todos os países do mundo, seja amigo ou inimigo.”

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.